Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

'A Justiça foi feita, mas vazio ficou', diz Ana Carolina Oliveira

Abatida, mãe de Isabella afirma que estava confiante nessa condenação, pois as provas estavam no processo

Felipe Branco Cruz, do Jornal da Tarde

27 Março 2010 | 16h12

"A Justiça foi feita, mas o vazio ficou. Minha filha não vai voltar", disse a mãe de Isabella Nardoni, Ana Carolina Oliveira, sobre o resultado do júri que condenou o casal Nardoni pela morte da menina.

  

Veja também:

mais imagens Galeria de fotos do julgamento

lista Histórico do caso de Isabela Nardoni

especial Entenda o julgamento do caso Isabella

lista Íntegra da condenação do casal

blog Os 5 dias do julgamento, no blog Tempo Real

  

Ana Carolina falou, na tarde deste sábado por cerca de 20 minutos com repórteres que estavam em frente ao prédio onde ela mora com pais, na Vila Maria, zona norte da capital. Ela desceu acompanhada de parentes e da mãe, Rosa Maria Oliveira. Durante toda a entrevista, ficou abraçada a uma menina, filha de uma vizinha.

 

"Minha vida vai entrar em uma nova fase", afirmou ela. Ana Carolina estava tranquila no início da entrevista, mas ficou abalada e chorou quando falou da filha, morta em 29 de março de 2008.

 

Aparentando muito cansaço, Ana Carolina disse que só conseguiu dormir por volta das 5h da manhã pois "a adrenalina estava alta". Ela disse que o juiz Mauricio Fossen foi muito competente, e que a condenação de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá foi justa. Ela afirmou ainda que estava muito confiante nessa condenação, pois todas as provas estavam no processo.

 

Ana Carolina também descreveu a sala do Fórum de Santana, na zona norte da capital, onde ficou confinada durante quatro dias. Segundo ela, era uma sala pequena, sem ventilação e sem janelas. Ela chegou a ser encaminhada à enfermaria do Fórum com queda de pressão.

 

Ela disse ainda que a terapia ajudou a enfrentar o momento em que prestaria o depoimento, mas quando falou aos jurados regrediu ao estágio emocional no qual se encontrava há dois anos, quando a filha morreu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.