Taba Benedicto/Estadão
Taba Benedicto/Estadão

A jovem arquiteta que transformou lixão em parque em favela de São Paulo

Ester Carro desenvolve desde 2017 o projeto Fazendinhando, que vem mudando as feições do Jardim Colombo, no Complexo de Paraisópolis

Gonçalo Junior, O Estado de S. Paulo

18 de outubro de 2021 | 05h00

Quando era pequena, Ester Carro não conseguia entender por que as paredes de sua casa, no Complexo de Paraisópolis, não tinham revestimento. De vez em quando, um ou outro rato conseguia entrar pelos buracos na estrutura, visitas nada agradáveis para uma criança. 

Ela também ficava inconformada a cada vez que o Córrego Itararé transbordava no Jardim Colombo – um trecho de Paraisópolis, na zona sul de São Paulo, onde sobravam problemas e faltavam áreas verdes para brincar. 

A angústia e a indignação foram se transformando em força enquanto ela crescia. Força para alterar sua realidade e, com isso, proporcionar mudanças no entorno. Sonho que ela realiza desde 2017 com o projeto Fazendinhando, que vem garantindo avanços importantes no urbanismo e na comunidade. 

A influência dos pais foi decisiva nessa trajetória que levou uma jovem da periferia a virar arquiteta e ativista urbana. Ex-pedreiro e ex-atleta profissional, Ivanilson de Oliveira sempre foi atuante na União dos Moradores do bairro e levava Ester às reuniões do Conselho Gestor com o poder público. A mãe, Gabriela, trazia das casas onde trabalhava como doméstica revistas de decoração e arquitetura.

Ester entrou nas Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU) e não desistiu mesmo quando ficou grávida e precisou trancar a graduação por um semestre, quando o filho nasceu. “Só porque fui mãe aos 19 anos não significa que meu mundo fechou. Sei o quanto é difícil, mas sou prova de que não é impossível”, diz Ester, hoje com 26 anos.

Com o conhecimento adquirido, era hora de ajudar a resolver os problemas do Jardim Colombo. Ester organizou o Fazendinhando, nome que faz referência ao antigo lixão que, décadas atrás, servia para criação de vacas e cavalos. A iniciativa teve uma inspiração: a comunidade Sitiê, no Vidigal, zona sul do Rio, e seu projeto premiado internacionalmente. 

O primeiro passo para a revitalização da área foi a remoção do lixo. Mutirões retiraram quase 40 caminhões de resíduos do terreno de 1.000 metros quadrados. Foram dois anos de trabalho com voluntários até a área virar um parque que hoje recebe eventos e cursos. 

NOVOS PASSOS

No mês passado, Ester conheceu Medellín, cidade colombiana que deixou o passado ligado ao tráfico de drogas para virar referência em transformação social. Agora, ela quer incorporar ao projeto parte das inovações que viu. “Por que não podemos ter arquitetura de qualidade nas favelas?”

Durante a pandemia, o projeto passou a investir também em ações de capacitação dos moradores, principalmente das mulheres. Oitenta conseguiram certificados após aulas virtuais – vídeos enviados por WhatsApp por profissionais voluntários – em áreas como gastronomia, construção e artesanato. “É possível transformar a nossa realidade. Há esperança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.