A 'invasão' que está mudando o centro

Manifestações artísticas e movimentos de rua recuperam áreas antes degradadas de São Paulo

JULIANA DEODORO, O Estado de S.Paulo

24 Março 2013 | 02h01

A região central de São Paulo está sendo ocupada. Por arte, música e, principalmente, pessoas, que estão saindo de suas casas e transformando as ruas da região - degradada e marcada pelo abandono - em espaço de intervenção e troca. Essa ocupação se manifesta de diversas formas: nas festas e protestos políticos que levam pessoas às Praças Roosevelt e Dom José Gaspar, nos coletivos de artistas que se instalaram em casarões nos Campos Elísios ou nas galerias que escolheram o Vale do Anhangabaú como base. "O centro está voltando a ser palco de encontro dos diferentes", avalia o urbanista e professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo Fábio Mariz Gonçalves.

Para os que já trabalham na região há algum tempo, a (re)tomada não é nova, mas todos concordam que se intensificou no último ano. O exemplo mais cabal é o Festival Baixo Centro, que acontece entre 5 e 14 de abril. Em sua segunda edição, o festival quintuplicou de tamanho: 530 projetos se inscreveram para fazer parte da programação.

"Descobrimos que somos mais gente inquieta do que imaginávamos. Mas não apenas o número surpreende, também a variedade e a poética de propostas pensadas ou adaptadas para a rua", explica Andressa Vianna, uma das colaboradoras do Baixo Centro. Colaborativo por princípio, o festival se baseia na internet e nas redes sociais para a divulgação e arrecadação dos R$ 62,5 mil necessários para a realização de todas as atividades.

É pela rede também que os participantes se conectam a outros movimentos que estão "invadindo" as ruas, como o Existe Amor Em SP. "A ocupação é feita em várias frequências, respeitando as autonomias de cada um e tentando somar esforços", afirma Pablo Capilé, do Fora do Eixo, um dos coletivos mais atuantes na capital.

Vizinhos. Exemplo usado por absolutamente todos os entrevistados, a Praça Roosevelt serve como alerta para que a ocupação seja feita com o apoio e a colaboração dos vizinhos. Por isso, as ações, geralmente, terminam antes das 22h e recomenda-se que as pessoas cuidem do lixo que produzem. "Temos que achar um modo de fazer sem causar incômodo. Quando fazemos as coisas na rua estamos fazendo para o bem da cidade, ajudando a revitalizar", diz o alemão Thomas Haferlach, idealizador do Voodoohop, um dos coletivos que organiza, entre outras festas, o Domingão no Minhocão, que leva música ao elevado.

Há quatro anos na Rua Rêgo Freitas, a Matilha Cultural estabeleceu, desde o início, diálogo com os moradores. Além de serem convidados para os eventos do centro cultural, eles também inspiraram algumas atividades. "A ocupação pela ocupação não é o ideal, é necessário agregar informações. Ocupar é revitalizar por meio das pessoas", diz Rebeca Lerer, diretora da Matilha.

De fato, humanizar parece ser a palavra de ordem de todos os coletivos. "São Paulo pode ser uma cidade fértil e as ruas podem ser mais coloridas. É preciso demonstrar que existem pessoas neste asfalto", resume Thiago Carrapatoso, do Festival Baixo Centro.

DOMINGÃO NO MINHOCÃO: HOJE, ENTRE 15H E 21H, AO LONGO DE TODO O MINHOCÃO; FESTIVAL BAIXO CENTRO: DOS DIAS 5/04 A 14/04, NAS RUAS DO BAIXO CENTRO. PROGRAMAÇÃO COMPLETA EM FESTIVAL.BAIXOCENTRO.ORG. PARA CONTRIBUIR: http://catarse.me/BaixoCentro2013

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.