Divulgação
Divulgação

A história da Vila Maria

Como um loteamento "irresponsável" sobreviveu às enchentes e converteu boa parte de suas ruas em um bairro gostoso e pacato, com jeitão de cidade do interior

O Estado de S. Paulo

20 de outubro de 2015 | 15h51

A Vila Maria nasceu em 17 de janeiro de 1917, do loteamento do Sítio Bela Vista pela Companhia Paulista de Terrenos. Para incentivar a venda, chegaram a ser doados tijolos e telhas. Suas terras margeavam o lado direito do Tietê – o rio que não corria em direção ao mar, mas para dentro do continente. Era a várzea, um terreno de difícil fixação.

Em meados do século 20, a fim de levar o progresso e o desenvolvimento para a região, a ponte foi construída. Isso foi em 1918. Era de madeira. Até então, só dava para cruzar as águas de barco. As ruas não tinham calçamento e as pessoas pescavam no Tietê. Naquela época, e durante muito tempo, era comum os habitantes do terem embarcação própria, guardada em casa, por causa das frequentes inundações. Médicos e farmacêuticos visitavam doentes e tinham de esperar baixar o nível da água, pernoitando ali antes de voltar para suas casas. Roberto Pompeu de Toledo escreve, em A Capital da Vertigem, que o bairro tem origem no “irresponsável loteamento de um sítio em plena várzea. A venda de terrenos iria causar aos compradores, oriundos das camadas mais pobres da população, anos de sofrimento”.

Os imigrantes que mais ajudaram a formar o bairro foram os portugueses que por ali chegaram entre as décadas de 30 e 70. Mas antes disso muitos outros já haviam atracado seus barcos para ficar. Houve até uma colônia de húngaros na região. Atualmente, a população é uma boa mistura de nascidos na Vila Maria, descendentes de portugueses, migrantes nordestinos, paranaenses, imigrantes bolivianos. São mais de cem mil moradores que movimentam o “centro”, perto da Candelária, e deslocam-se a pé para resolver coisas da vida ou visitar um vizinho, desafiando as avenidas movimentadas e de trânsito puxado, nos arredores da marginal, e aproveitando as vias mais sossegadas ou as pracinhas.

1. 17 de janeiro de 1917

Nasce oficialmente a Vila Maria, do loteamento do Sítio Bela Vista.

      2. A primeira versão da ponte

A ponte de madeira sobre o Rio Tietê é construída em 1918 e muda a vida no bairro.

      3. 1923

É o ano da chegada da luz e do bonde elétricos à Vila Maria.

      4.Igreja

A Nossa Senhora dos Navegantes é a primeira do bairro. Foi construída em 1922; a da Nossa Senhora da Candelária (paróquia) data de 1933. 

      5.Escola

O Colégio Nossa Senhora de Sion foi fundado em 1942 e existe até hoje. É uma das primeiras escolas (talvez a primeira).

      6.Carnaval

A Escola de Samba Unidos de Vila Maria foi fundada em 1954 e hoje é uma referência não só na música, mas na vida social do bairro.

Tudo o que sabemos sobre:
bairrosspvila mariahistória

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.