À espera de novo terminal, Cumbica ganha ''puxadinhos''

Módulos pré-fabricados elevam fluxo de passageiros em 3 milhões; projeto está em estudo

Adriana Chiarini, O Estadao de S.Paulo

13 Março 2010 | 00h00

PRAZO - Conclusão das obras do Terminal 3 do Aeroporto Internacional de São Paulo está prevista para abril de 2014, a meses da Copa

O Aeroporto Internacional de São Paulo, em Cumbica, Guarulhos, vai ganhar três módulos operacionais (MOP) - terminais provisórios. "Eles permitirão 3 milhões a mais de passageiros por ano", informou o presidente da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), Murilo Marques Barboza.

Os módulos devem começar a operar, "sendo otimista, até janeiro", disse o executivo. No entanto, a Assessoria de Imprensa da estatal informou que a fase atual ainda é de estudos para a licitação. Previsto para abril de 2014, pouco antes da Copa do Mundo no Brasil, o Terminal 3 de Guarulhos terá capacidade para mais 4 milhões de passageiros. Quando estiver pronto, os módulos serão transferidos para outros aeroportos.

Desde abril de 2009, há um MOP em funcionamento em Florianópolis. É uma estrutura pré-fabricada, feita de placas e vidros, com tratamento acústico e climatização. Usado para embarque e desembarque, o módulo catarinense tem mil metros quadrados. Tem café, banca de jornal, banheiros e monitores de vídeo com informações sobre voos.

Um dos MOP em Guarulhos será para embarque, outro para desembarque e um terceiro funcionará como um terminal independente, com espaço para estacionamento.

Outros aeroportos do País também receberão a estrutura modular antes da Copa, incluindo o de Viracopos, em Campinas, e o Galeão, no Rio, de acordo com o presidente da Infraero. Na quarta-feira, foram assinadas as ordens de serviço para instalação em 180 dias de módulos nos Aeroportos de Brasília, de Goiânia e de Vitória.

Até 2014, haverá investimentos de R$ 6 bilhões em aeroportos das 12 cidades-sede da Copa, com mais R$ 2 bilhões adicionais para outros aeroportos. "Não falta recurso. Os aeroportos estarão prontos para a Copa", disse Barboza.

Enquanto as obras não são concluídas, serão utilizadas soluções provisórias para suportar a expansão do mercado aéreo. Para Barboza, o grande desafio da Infraero é o aumento de viagens aéreas por causa do crescimento da economia. "Como a economia está muito bem, as pessoas viajam mais. A taxa de ocupação dos aviões está em 60% a 65%", afirmou Barboza.

EXPANSÃO

A diretora-presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Solange Vieira, prevê que o crescimento do número de passageiros neste ano seja próximo de 17%, como ocorreu no ano passado.

O crescimento do setor poderia até ter sido maior, considerando que a economia em 2009 recuou 0,2%. Para este ano, as expectativas são de uma expansão do Produto Interno Bruto (PIB) entre 5% e 6%. "Mas tem uma variável que a gente não controla, que é o preço (das passagens)", disse Solange.

A Anac começou por Guarulhos os estudos sobre aeroportos próximos do limite da capacidade. Barboza afirmou que o problema de Cumbica é mais de horários de congestionamento. Ele disse também que há "determinação do ministro (Nelson) Jobim para minimizar os voos de e para Guarulhos e direcionar para o Rio".

Barboza e Solange participaram ontem, no Rio, de cerimônia de protocolo de intenções para a instalação de juizados nos aeroportos das 12 cidades que serão sede da Copa. "É uma iniciativa positiva. Vai ajudar o consumidor", disse Solange.

NÚMEROS

4 milhões

de passageiros a mais poderão usar o Aeroporto Internacional de São Paulo quando o

Terminal 3 for entregue

R$ 6 bilhões

devem ser investidos nos aeroportos das 12 cidades que serão sede da Copa até 2014, ano do campeonato

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.