A cidade ideal, daqui a 50 anos

Em cada época, há um sonho diferente para o futuro da metrópole; o atual é ter em 2063 uma São Paulo mais interligada e humana

O Estado de S.Paulo

25 Janeiro 2013 | 02h12

A São Paulo do futuro já foi sonhada, imaginada e desenhada inúmeras vezes ao longo da história. Essa cidade utópica é tão mutante quanto a real, ou talvez mais. No decorrer das décadas, a capital paulista foi idealizada como uma cidade europeia, com prédios art déco e passeios arborizados, e também como uma metrópole americana, cortada por vias expressas sem fim. Seu centro já foi imaginado vivo, glamouroso, mas também vazio, pulverizado. São utopias que, na verdade, dizem mais sobre sua própria época do que sobre o futuro.

Por isso mesmo, descobrir qual é a São Paulo que sonhamos hoje é essencial para entender as motivações por trás das mudanças que vão ocorrer na cidade a partir de agora. As ideias apresentadas ao longo deste caderno especial dão uma pista sobre esses sonhos: uma São Paulo mais humana, mais conectada e menos opressora do que a atual.

Se conseguirmos alcançar esses desejos, como será então a cidade daqui a, digamos, 50 anos? Para tentar ilustrar esse futuro ideal, o Estado convidou o escritório de arquitetura FGMF, considerado um dos 30 mais promissores do mundo pela revista britânica Wallpaper. "Escolhemos um pequeno trecho da cidade para sintetizar o que entendemos que será a cidade do futuro: um pedaço do Rio Tamanduateí, próximo ao Pátio do Pari, no centro", afirma um dos sócios do escritório, Lourenço Gimenes.

Mudanças. Ele acredita que São Paulo não passará por transformações drásticas até lá. "Serão mudanças pontuais, pois não há nenhuma intervenção mágica que vai mudar uma cidade desse tamanho", diz. Entre as principais modificações, deverá estar a revitalização das áreas degradadas do centro, que poderá aliviar o problema habitacional das periferias e criar zonas qualificadas de convivência. "Uma dessas áreas deverá ser a região do Pari, que é rica em infraestrutura urbana, fica próxima de grande oferta de emprego, mas tem taxa de ocupação baixa", explica Gimenes.

Essa área também exemplifica uma outra característica que a vida em São Paulo terá no futuro, segundo o arquiteto: a mudança na sua cadeia produtiva. De acordo com ele, haverá uma difusão nos horários de trabalho e no home office, de maneira que haverá mais gente se divertindo e interagindo em espaços públicos durante os dias de semana. "Hoje, a cidade funciona muito em relação ao horário de trabalho. Uma massa de pessoas usa a cidade de uma forma durante o horário de trabalho, o que causa congestionamentos, e outra massa usa a cidade no horário de folga, o que causa fila e equipamentos de cultura lotados", afirma.

Por isso, Gimenes acredita que haverá um impulso para o desenvolvimento de bairros de uso misto, que englobam tanto moradia, trabalho e lazer - tudo isso dentro de uma paisagem convidativa para a convivência coletiva. "As pessoas querem uma cidade mais humana, mais agradável. Isso é um processo sem volta." Para ele, haverá uma exigência forte da população sobre os governantes para que políticas como essas sejam adotadas nos próximos anos.

Beleza. O arquiteto e urbanista Jorge Wilheim, secretário municipal de planejamento nas gestões Mario Covas (1983-1985) e Marta Suplicy (2001-2004) concorda com a afirmação. "A população está dando mais valor ao lado estético da cidade, porque inclusive conhece mais do mundo, viaja, faz comparações. E tem muitas cidades que são mais agradáveis do que São Paulo pelo mundo", afirma o urbanista.

Ele também imagina São Paulo diferente no futuro, com suas principais questões ambientais resolvidas e um foco maior no transporte coletivo do que no individual. "Hoje, não se tem mais ilusão de que é possível fazer tudo com o automóvel. O bom senso é melhorar o transporte coletivo, com metrô, corredores de ônibus e até a retomada dos bondes, como cidades americanas e europeias estão fazendo."

Em relação ao verde, Wilheim imagina uma São Paulo pontilhada de pequenos parques - os chamados pocket parks, que existem em cidades como Nova York.

"São pequenas áreas verdes, às vezes do tamanho de apenas um lote, mas que servem de espaço de convivência para uma determinada vizinhança", projeta. Ele acredita também que haverá mais controle do poder público em relação ao mercado imobiliário. "Teremos de encarar esse conflito", resume.

Passado. Sociólogo, professor emérito da Universidade de São Paulo (USP) e colunista do Estado, José de Souza Martins lembra que a São Paulo ideal às vezes parece mais um déjà vu de sonhos passados que não se concretizaram. "O plano do prefeito Fernando Haddad (PT) de deslocar o crescimento da cidade para as margens do Rio Tietê é, na verdade, o plano de Prestes Maia (prefeito de 1938 a 1945). O rio seria navegável, uma Veneza paulista, com barcos suburbanos servindo os bairros na função de ônibus." A Ponte das Bandeiras é o que resta desse plano ainda atual, mas que nunca chegou a ser concluído.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.