Evelson de Freitas/AE
Evelson de Freitas/AE

A chance de ''degustar'' massagens e terapias

Começa amanhã em SP, RJ, PR e SC o Spa Week, com pacote de beleza a R$ 70

Valéria França, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2011 | 00h00

Depois da temporada do Restaurante Week, começa amanhã o Spa Week, evento que envolve 72 clínicas de São Paulo, Santa Catarina, Rio e Paraná, que prometem massagens terapêuticas, relaxantes e outras terapias com finalidade estética. Tudo por preço único - e mais baixo que o usual - de R$ 70 até dia 16.

O valor é vantajoso. Há procedimentos que fora do evento custam em média R$ 170, caso da gamban, massagem sobre uma maca coberta de turmalinas negras, com o objetivo de energizar o corpo. O difícil é saber como e o que escolher, principalmente em São Paulo, onde estão 49 desses spas, que oferecem mais de uma centena de tratamentos.

A reportagem do Estado procurou quatro veteranos do evento para obter dicas. "A gente sempre pensa que vai conseguir o mesmo serviço oferecido no período normal com preço cheio. Diminua a expectativa", diz a engenheira Sandra Souza. "Não digo isso por causa da qualidade do serviço, que é bom, mas pelo tempo um pouco reduzido das sessões. Nunca é uma hora." Entre as regras do evento no site (www.spaweek.com.br), a única garantia é que a sessão não pode ter menos do que meia hora.

"Eles oferecem uma degustação", explica Sandra. "Ano passado, tentei um minispa, combinação de massagem relaxante e ofurô." Foi tudo tão corrido que ela saiu estressada.

A maior preocupação dos participantes é conseguir checar a qualidade das massagens terapêuticas, que podem comprometer o bem-estar, se não forem feitas por bons profissionais. Gerente de inteligência de um banco, André Pessoa, de 38 anos, sofre com dores na lombar e na cervical por trabalhar horas no computador. Há três anos, alivia as tensões musculares com shiatsu, prática japonesa que consiste na pressão dos meridianos para tratar inflamações e distúrbios psicossomáticos, entre outras disfunções.

Pesquisa de campo. "É importante pedir referências. Acho que o boca a boca é a melhor indicação que se possa ter", diz Pessoa. "Não dá para ir exclusivamente pelo preço." Cliente do Manabe, espaço de terapias orientais, no Itaim-Bibi, zona sul, ele aproveita as duas semanas do Spa Week para aumentar a frequência, que passa de mensal para semanal.

"Eu acho que é uma boa oportunidade para conhecer spas que você não iria se não fosse a promoção", diz Valéria Coutinho, de 39 anos, especialista em estratégia de marketing. Na última edição, por exemplo, ela tentou reservar horário no Amanary, spa do luxuoso Grand Hyatt São Paulo Hotel, no Brooklin, na zona sul. "Estava lotado, mas tentei reservar um pouco tarde, no meio do evento."

Nesta edição, o Amanary e o spa do Tivoli São Paulo-Mofarrej não participam. Mas há outros spas estrelados, como Hara, instalado numa sofisticada casa da Avenida Europa, nos Jardins, com 3 mil metros quadrados de construção, que abrigam 40 salas climatizadas e sete bangalôs, em um jardim interno.

"Eu prefiro locais pequenos", diz a professora de educação física Renata Semine, de 29 anos, cliente do Levitas, clínica envidraçada, sem tanto luxo, porém mais aconchegante que o Hara, e com localização privilegiada- fica na frente do Parque do Ibirapuera.

"Com esse preço, é possível testar a qualidade dos profissionais do espaço. Quando não se conhece bem o procedimento, é importante passar por no mínimo dois endereços diferentes para então ter um parâmetro e escolher o melhor."

ONDE PROCURAR

Hara: Lifting para seios, drenagem com pedras semipreciosas e linfática facial. Tel.: (11) 3067-5555.

Levitas: Drenagem linfática corporal, hiperbárica (tratamento de gordura localizada, estria e  flacidez com jato de ar) e shiatsu. Informações pelo tel.: (11) 3054-7922.

Manabe Terapia Oriental: Equilíbrio (reflexologia chinesa e massagem relaxante). Harmonia (drenagem linfática e massagem relaxante). Tel.: (11) 3044-7239.

Otris Spa Urbano: Gamban (maca de turmalinas negras), LPG (tratamento facial) e Otris (relaxante). Tel.: (11) 3666-7012

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.