A autodefesa é o momento crucial

Análise: Luiz Cogan

Luiz Cogon,

19 de abril de 2013 | 02h05

A grande expectativa durante todo o dia de ontem gravitou sobre um dos jurados, cuja saúde está abalada, fato que levou à suspensão dos trabalhos prematuramente. De acordo com a incomunicabilidade dos jurados, esses não podem comentar sobre qualquer fato relacionado ao julgamento. Isso não significa que não possam conversar sobre amenidades, muito menos reportar ao médico qualquer indisposição durante o plenário, pois sua integridade deve ser preservada.

No entanto, hoje os réus serão interrogados. A autodefesa é o momento crucial e derradeiro para que o réu exponha a própria versão. Aguardamos que todos estejam saudáveis e com muita atenção nessa fase imprescindível, visando não apenas a concluir o julgamento, mas a finalizá-lo sob o manto da plenitude de defesa.

* É ADVOGADO CRIMINALISTA, MESTRE EM PROCESSO PENAL PELA PUC-SP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.