6,5% têm ‘profissional’ para mediar de briga por barulho a vaga de carro

Segundo administradora, novos perfis de prédios exigem cada vez mais o trabalho de síndicos profissionais

Edison Veiga e Fábio Rossini, O Estado de S. Paulo

27 Julho 2014 | 09h57

Para administrar orçamentos e problemas da vida em condomínio na cidade de São Paulo, cada vez mais os prédios recorrem a profissionais remunerados – moradores ou não. De acordo com o levantamento da empresa de administração de condomínios Lello, hoje o síndico profissional está presente em apenas 6,5% dos prédios paulistanos, mas 49% do total têm isenção da taxa condominial e 25% recebem remuneração. 

Segundo a empresa, há uma tendência natural de crescimento de síndicos profissionais em dois perfis: prédios recém-erguidos e edifícios com gestão mais complexa (muitas torres ou mistos).

O advogado Jacques de Oliveira Ferreira, de 42 anos, ocupa o cargo desde 2007. Ele recebe um salário mensal de R$ 724 e ainda tem isenção da taxa de condomínio (R$ 380). No seu dia a dia, a tarefa mais complicada é controlar o barulho da vizinhança. “Reclamam muito. Principalmente de salto alto ou crianças gritando. De vez em quando, as festas no salão passam do horário e os moradores reclamam. Prefiro sempre conversar, dou advertência somente em último caso. Sempre explico a situação e, na maioria das vezes, na próxima festa eles se comportam melhor. Se persistir mesmo assim, dou uma multa que depende da gravidade e da reincidência do morador.” 

De acordo com a Lello, os conflitos mais comuns em condomínios são começados pela letra C: 75% das reclamações envolvem carro, cano, criança ou cachorro. Em outras palavras, são problemas de barulho, como diz Ferreira – por conta de cães, 30%; causados por crianças, 8% dos casos –, vagas de garagem, que respondem por 25% dos atritos entre moradores, e vazamentos (12%). 

Garagem apertada. A publicitária Ana Paula da Costa Bezerra, de 44 anos, estranhou muito, na mudança da casa para o apartamento, a questão das vagas apertadas na garagem. “Tenho muitos problemas com as vagas. Elas são muito apertadas. Tenho quatro vagas, cada uma em um lugar, mas são muito pequenas”, comenta ela. A escriturária Daniela Martins Ortega, de 34 anos, também reclama dos conflitos em sua garagem. “São milhares os problemas, poderia falar por horas e horas”, exagera.

A dona de casa Heliana Correa Carvalho, de 70 anos, diz que seu problema é só com barulho. “Escuto tudo do apartamento de cima, inclusive os passos do cachorro. Para quem trabalha e chega de noite, não tem problema, mas incomoda para quem fica o dia inteiro em casa”, acredita ela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.