Wilton Junior/AE
Wilton Junior/AE

57 são internados após exercícios da Marinha

Aspirantes a fuzileiros navais tiveram síndrome respiratória causada por bactéria ainda desconhecida após treinamento na zona oeste do Rio

Clarissa Thomé / RIO, O Estado de S.Paulo

22 de agosto de 2011 | 00h00

Um surto de síndrome respiratória provocou a internação de 57 aspirantes a fuzileiros navais em treinamento no Centro de Instrução Almirante Milcíades Portela Alves (Ciampa), em Campo Grande, na zona oeste do Rio. Dois deles estão na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Naval Marcílio Dias.

Os aspirantes apresentaram febre, dor de cabeça, tosse e coriza. Os sintomas teriam aparecido durante um treinamento pesado em que os jovens tiveram pouco acesso à água, segundo informaram parentes dos rapazes internados. Os dois jovens em estado mais grave, Vitor Hugo Pereira, de 19 anos, e Leonardo Gama Rodrigues, de 22, também têm insuficiência renal.

A Secretaria Municipal de Saúde foi notificada pela Marinha por causa do número de aspirantes infectados, o que configura um surto. Os técnicos fizeram uma ação de bloqueio - ministraram antibióticos para militares e civis que tiveram contato com os rapazes que se sentiram mal. A secretaria tenta descobrir qual é a bactéria que provocou o surto.

Em nota, o Comando do 1.º Distrito Naval informou que os recrutas estão em boa evolução clínica. Com a melhora da maioria dos alunos, o Comando estimou que nos próximos dias cerca de trinta terão alta hospitalar.

Ontem, o movimento foi intenso no Hospital Naval Marcílio Dias, na zona norte. Apesar de o serviço de Comunicação Social da Marinha ter informado que os sintomas surgiram no "início da semana", sem especificar se havia sido na "terça ou quarta-feira", muitas famílias só foram avisadas sobre a internação na manhã da sábado.

Famílias. Segundo o tio de Vitor Hugo Pereira, Haroldo Silva, o sobrinho já reconhece a família e está menos inchado que no dia anterior. Ele se queixou de que o rapaz foi internado na quarta-feira e só dois dias depois a família foi avisada. Na véspera, o pai de Vitor Hugo, João Luiz Pereira, disse à Rede Globo que o filho contou ter visto vários colegas desmaiando nos exercícios. "Não tinha água no cantil."

Fátima Gonçalves, mãe do aspirante Vinícius Felipe Gonçalves, contou que está "todo mundo com febre e tossindo muito". "Ele disse que não houve maus-tratos, mas que eles costumavam acordar às 4h30 e ficavam um pouco expostos ao frio."

Uma das mães contou que encontrou o filho respirando com auxílio de máscara de oxigênio. "Ele parece bem. Os sintomas apareceram mais leves nele e ele deve receber alta amanhã", disse a mãe de um aspirante de 18 anos. Ela contou que soube da internação do filho somente no sábado, mas não quis entrar em detalhes. "Alguns ficaram sem água. Mas não é bom falar para não prejudicar. Meu filho está bem", disse a mulher.U

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.