5 policiais são feridos em perseguição

Após ladrões assaltarem um banco em Pirituba, houve tiroteio no Pari, na Marginal do Tietê e na Fernão Dias; três acabaram presos

Marcelo Godoy, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2010 | 00h00

Quatro policiais civis e militares foram baleados e um se feriu num acidente durante perseguição a uma quadrilha de ladrões de banco que roubou, às 18h30 de ontem, uma agência do Itaú, em Pirituba, na zona norte de São Paulo. A ação contra os criminosos resultou em três tiroteios: um no Pari, no centro, outro na Marginal do Tietê e o terceiro na Rodovia Fernão Dias, em Guarulhos, na Grande São Paulo. Três dos assaltantes foram presos.

Policiais civis da 5.ª Delegacia Seccional monitoravam havia 40 dias os passos da quadrilha quando ontem receberam uma informação de que o bando ia assaltar um banco na zona norte da cidade. Os investigadores sabiam a marca dos carros que seriam usados no crime e o trajeto que os bandidos fariam na fuga. Concluído o roubo, os policiais tentaram abordar a quadrilha na Marginal do Tietê, no Canindé, no centro de São Paulo.

Parte do bando saiu da Marginal e entrou no Pari, onde, na Rua Silva Teles, trocou tiros com policiais do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra). Nesse confronto, um investigador foi baleado no tornozelo. Um carro da PM que passava pelo local também foi alvo dos tiros dos bandidos, ferindo um capitão e um soldado. Os assaltantes deixaram para trás um Celta e armas e fugiram com pelo menos um fuzil.

O restante do bando tentou fugir pela Marginal. Dois dos bandidos que estavam em um Prisma foram cercados e se renderam. Os policiais apreenderam duas submetralhadoras calibre 9 mm e uma pistola calibre 9 mm. Os demais assaltantes rumaram pela Marginal e foram seguidos até a Rodovia Fernão Dias, em Guarulhos. Ali, um investigador do Garra, que estava em uma motocicleta, acabou se envolvendo em um acidente com um carro.

Feridos. Além dele, um investigador da 5.ª Delegacia Seccional foi baleado no abdome. De acordo com o delegado Nelson Silveira Guimarães, titular da 5.ª Delegacia Secional, o investigador passava por cirurgia ontem à noite. Ele era o caso mais grave entre os policiais feridos. Aparentemente, foi vítima de um tiro de calibre 9 mm.

Os outros policiais civis feridos não correriam risco de vida. O capitão do 13.º Batalhão da Polícia Militar teria sido atingido na mão e o soldado, no braço.

Um terceiro bandido foi preso na rodovia e outro carro apreendido - um quarto suspeito foi detido, mas acabou liberado. Os demais integrantes do bando conseguiram escapar.

Além das submetralhadoras, os policiais também apreenderam um carregador de fuzil AR-15 e munição com o acusados, além de três carros - um Prisma, um Celta e uma Kombi. Até as 22 horas, a polícia não sabia o quanto havia sido roubado pela quadrilha do banco nem havia divulgado os nomes dos presos. Ao todo, a polícia estima que até nove bandidos tenham participado do assalto em Pirituba.

PARA LEMBRAR

Em 7 de novembro de 2008, após pegarem R$ 110 mil de um banco em Guarulhos, assaltantes do PCC iniciaram uma perseguição de 25 km até SP. No Tremembé, fizeram quatro reféns numa casa. Após novo tiroteio, "Balengo" (maior líder do PCC fora das cadeias) foi morto. Nove PMs ficaram feridos. Balas perdidas ainda mataram o garupa de uma moto e feriram duas pessoas - uma quarta foi atropelada. Nove suspeitos foram detidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.