Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

40 km de bike e banho improvisado: é possível viver sem carro

Vanessa Bressane pedala todos os dias do Tatuapé ao Brooklin e se vira para não enfrentar o incômodo em chegar suada ao trabalho

Léo Martins e Sandy Oliveira, especiais para o Estado

20 de setembro de 2019 | 12h30

SÃO PAULO - Vanessa Bressane, de 39 anos, trocou o carro em São Paulo pela bike há seis anos. “Comecei fazendo pedal noturno, para poder conhecer a cidade, depois passei a fazer passeio no final de semana. A única coisa que eu não fazia, era ir para o trabalho de bicicleta.” 

A corretora de seguros mora no bairro do Tatuapé, na zona leste, e pedala até o Brooklin, na zona sul, onde trabalha. Ao todo, percorre 40 quilômetros diariamente.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Eu levava uma hora e quarenta de carro, agora eu levo uma hora e dez de bicicleta”
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Vanessa Bassane, corretora de seguros

“Eu tentei, eu vi que deu certo. Foram passando os dias, eu comecei a usar cada vez mais bicicleta. E usar cada vez menos o carro. Então eu resolvi vender o carro e guardar um dinheiro”, conta. 

A decisão de trocar de vez o carro pela bicicleta teve um empurrãozinho da necessidade de estar em dia com a saúde e, ao mesmo tempo, praticar esporte.

“Se você for colocar na ponta do lápis, não é vantajoso você ter um carro hoje em dia. Eu levava (até o trabalho) uma hora e quarenta (minutos) de carro, agora eu levo uma hora e dez de bicicleta.” 

Um dos maiores empecilhos que Vanessa encontrou na decisão foi o incômodo em chegar suada ao trabalho. Contra isso, deu um jeito diferente.

“Eu adaptei um chuveirinho, desses de acampamento, e quando chegava no trabalho já ia para o box do banheiro e me limpava, da forma que dava.”

Hoje em dia, a estratégia é diferente: ela paga uma academia, próximo ao trabalho, para poder tomar banho.

“Só pago academia para isso. Às vezes, passo lá, faço alguma coisa”, conta.

Apesar do lado positivo que a atividade diária proporciona, Vanessa ainda se arrisca em ruas da cidade que ainda não têm ciclovia.

“A maior parte que eu pego, na ciclovia da zona leste, ela não tem manutenção. A maior parte que eu faço do trajeto é sem ciclovia. Eu comecei a andar de bicicleta por causa da ciclovia, só me sentia segura quando eu ia por ela. Hoje eu consigo me adaptar tanto na ciclovia, quanto na rua.”

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.