4 em cada 5 prédios roubados têm segurança

Método preferido de entrada ainda é pular muro; na maioria das vezes, ações são violentas

Marcelo Godoy, Rodrigo Burgarelli, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2010 | 00h00

Dinheiro, celular, joias, relógios, documentos e notebooks são os principais alvos dos ladrões de condomínio. A lógica do dinheiro fácil mostra a razão de esse crime ter atraído sequestradores e ladrões de banco. Em média, os bandidos roubaram R$ 64,2 mil em cada assalto entre 2005 e 2009.

Multimídia. Veja raio X dos ataques a condomínios

O estudo feito pela Coordenadoria de Análise e Planejamento (CAP), da Secretaria da Segurança, mostra que os chamados roubos organizados - cometidos por mais de três ladrões com o uso de armas longas, como fuzis - rendem R$ 113, 9 mil às quadrilhas. Nos roubos praticados pelos chamados pés de chinelo, os ladrões amadores, o valor roubado é, em média, de R$ 51,7 mil.

A análise dos casos mostra que os criminosos invadiram mais de uma unidade do condomínio em 33,7% dos crimes e abordaram de modo violento a vítima em 66,4% dos casos. O método preferido para entrar em um condomínio ainda é o de pular o muro (30%), seguido pelo uso de algum subterfúgio, como a entrega de pizza ou a clonagem do carro de um dos moradores (21,7% do total). A invasão à mão armada da portaria ficou apenas em terceiro lugar (19,1%). "Os ladrões evitam isso porque precisam de tempo para agir e não podem ser descobertos", afirma o delegado Antônio Carlos Heib.

A CAP constatou que 80,5% dos condomínios atacados tinham algum tipo de equipamento de segurança. "O problema é que a segurança em condomínio nem sempre é feita por pessoal preparado", diz José Jacobson Neto, presidente da Associação Brasileira das Empresas de Vigilância e Segurança (Abrevis).

Tendência de queda. Cerca de 3 mil condomínios no País têm seguranças de empresas. O mercado que movimenta cerca de R$ 140 milhões por ano. Para o vice-presidente do sindicato da habitação (Secovi), Hubert Gebara, há uma tendência de diminuição de roubos. Contribui para isso, segundo ele, a crescente profissionalização da segurança. Segundo Gebara, os novos empreendimentos já são planejados com infraestrutura de vigilância, o que não ocorria alguns anos atrás. "A Polícia Militar e a Polícia Civil também estão trabalhando melhor em prevenção e investigação. Várias quadrilhas foram desbaratadas."

Preste atenção

1. Para evitar roubos, siga as regras de segurança do condomínio, como aguardar liberação para deixar entrar um visitante ou não conversar com os seguranças durante o serviço

2. Avise antecipadamente as visitas e entregas que está esperando. Caso seja algo inesperado, confirme com exatidão na portaria, antes de descer

3. Quando for realizar festas, passe todas as informações necessárias à portaria, especialmente a lista exata de quem vai participar do evento

4. Mantenha seu veículo trancado e sem objetos à vista na garagem. E sempre acenda a luz interna ou abaixe o vidro ao chegar, para facilitar o reconhecimento pelos vigias

5. O síndico deve evitar a rotatividade de funcionários. Na hora de contratar, não dispense as referências e o atestado de antecedentes criminais

6. Participe das reuniões de condomínio. Todo morador é o maior interessado em preservar a integridade física da família e dos amigos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.