4 brasileiros são presos dentro de avião nos EUA

Homens trocaram socos quando a aeronave, que faria o voo Miami-São Paulo, estava em solo para atendimento de uma mulher que passava mal

Jotabê Medeiros, O Estado de S.Paulo

08 Maio 2013 | 02h03

Quatro brasileiros foram algemados e presos pela polícia americana dentro de um Boeing 777-200, na pista do aeroporto de Miami, na madrugada de ontem. Os homens protagonizaram uma briga com socos e golpes dignos de uma luta de UFC dentro do voo 995, que fazia o trajeto Miami-São Paulo.

O voo foi tumultuado. O avião decolou de Miami com destino a São Paulo às 23h50 de anteontem e, quando sobrevoava a ilha de Alice Town, nas Bahamas, foi obrigado a retornar para socorrer uma passageira, também brasileira, que passava mal. A mulher estava desacordada, com inchaço em um lado do rosto.

Quando a aeronave estava no solo, entraram paramédicos, bombeiros e policiais para prestar atendimento à mulher.

Nesse momento, os passageiros das poltronas 33A e 33B, dois jovens com idade entre 20 e 25 anos, reclinaram seus assentos e acabaram acertando a cabeça da passageira que estava no banco de trás, deitada no colo do marido. O homem não gostou e se levantou para tirar satisfação. Começou então uma gritaria dentro do avião.

Um terceiro rapaz, que estava sentado numa poltrona mais à frente, saiu correndo pelo corredor e deu um soco no rosto do homem. Chorando, a mulher dele pediu que o rapaz parasse, mas os outros também se levantaram para bater nele.

Um deles gritava: "Você está morto! Você está morto!". O rapaz que havia saído da poltrona mais à frente deu uma gravata no homem e eles caíram no chão.

Os policiais chegaram, seguraram os quatro homens e os algemaram. O rapaz que deu o primeiro soco no homem gritava: "O que eu fiz? O que eu fiz?". Os passageiros aplaudiram quando eles foram levados para fora da aeronave. As famílias dos envolvidos também saíram, levando os pertences.

Passageiros das poltronas perto da confusão tiveram de descrever o fato para os comissários de bordo e os agentes da polícia que apuravam as responsabilidades.

Segundo comissários da American Airlines, os quatro homens foram levados à cadeia e poderão ser enquadrados na lei federal que trata de segurança aeronáutica.

"Pai não ensina, a vida ensina", comentou um passageiro. "Eram mal-educados, já chegaram falando alto", resmungou uma mulher. "Eles estão acostumados a dar um jeitinho, sair sem pagar. Aqui não vai rolar isso não, estamos nos Estados Unidos", festejou outra mulher.

Passageiros de outros setores passaram a ir até o fundo para conhecer o que chamavam de "cenário do UFC aeronáutico". "Foi aqui que teve a briga?", indagou um senhor.

Excesso de peso. Mas os problemas não pararam. O comandante do voo 995 informou aos passageiros que tinha notado, na aterrissagem, sinais de "excesso de peso" na aeronave e, por isso, o avião precisaria passar por um exame mecânico. Todos os passageiros tiveram de desembarcar. O voo decolou apenas às 3h20 de ontem e só chegou a São Paulo às 12h35, mais de quatro horas depois do previsto. "Senhoras e senhores, bem-vindos a São Paulo. E pedimos desculpas pelo incidente lamentável desta noite", disse o comissário de bordo pelo interfone, após a aterrissagem.

A tripulação informou que a mulher que havia sido atendida emergencialmente no avião no início da tumultuada noite, que fora internada em um hospital em Miami, já estava melhor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.