Apesar da chuva, 32 cidades do interior de SP estão à beira do racionamento
Apesar da chuva, 32 cidades do interior de SP estão à beira do racionamento

32 cidades do interior estão à beira do racionamento

Apesar das chuvas, 4,8 milhões de pessoas correm o risco de ficar sem água ainda no primeiro semestre

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

17 Janeiro 2015 | 03h00

SOROCABA - Apesar das chuvas, pelo menos 32 cidades do interior de São Paulo estão à beira do racionamento. Entre as que estão com o abastecimento vulnerável, algumas são de grande porte e importantes centros regionais, como Campinas, São José do Rio Preto, Piracicaba e Bauru. O calor intenso e o aumento no consumo esvaziam os reservatórios que até agora receberam menos chuvas que o esperado. A população em risco de ficar sem água ainda no primeiro semestre de 2015 chega a 4,8 milhões de pessoas.

Em Campinas, com mais de 1 milhão de habitantes, um plano de rodízio no abastecimento preparado em maio do ano passado, e que não foi adotado, volta a ser considerado. O plano prevê a redução, de forma alternada, na quantidade de água enviada à rede que abastece os bairros, caso o abastecimento atinja nível crítico. 

Mais de 90% dos moradores dependem do Rio Atibaia, que tem sua vazão afetada pela crise no Sistema Cantareira. Apesar das últimas chuvas, o rio chegava a Campinas ontem com vazão de 6,30 metros cúbicos por segundo, pouco acima do nível de alerta. De acordo com a Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento (Sanasa), as 12 medidas anunciadas no auge da crise hídrica continuam em vigor. Entre elas, estão a substituição de redes antigas, ampliação de reservatórios e a regulamentação do reúso da água no município. 

O prefeito Jonas Donizette (PSB) determinou que as multas para quem desperdiça água também sejam mantidas. Quem for flagrado tem a opção de pagar três vezes o valor da última conta ou fazer um curso de reciclagem para uso racional da água. O curso é dado pela Sanasa. Na região, cidades como Valinhos e Saltinho continuam com racionamento. 

O Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Semae) de Piracicaba está comprando kits de caixa d’água para distribuir à população que não tem recursos para adquirir a benfeitoria. A cidade é abastecida principalmente pelo Rio Corumbataí, cuja vazão sofre grandes oscilações. Em Limeira, o calor excessivo elevou o consumo à capacidade máxima de produção de água tratada. O serviço municipal de água fez um apelo por economia, alegando que o abastecimento pode ficar comprometido.

São José do Rio Preto, que escapou do racionamento em 2014, prepara medidas para cortar o consumo. A Represa Velha, uma das principais fontes de captação, teve a capacidade reduzida a menos da metade pelo assoreamento. Na região de Ribeirão Preto, o racionamento é mantido em Tambaú e Cristais Paulista. 

Mais conteúdo sobre:
Crise da água

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.