30 presos e poucas peças recuperadas

A moda de roubar joalherias só existe hoje no crime paulista por causa da forte demanda pelos produtos. Para enfrentar o problema, a Secretaria de Segurança Pública aposta na prisão de receptadores.

Bruno Paes Manso, O Estado de S.Paulo

10 Fevereiro 2011 | 00h00

Dos 17 roubos a joalherias ocorridos desde o ano passado - o último na segunda-feira, no MorumbiShopping -, nove foram esclarecidos. E 30 pessoas acabaram presas. Entre elas estão os seis envolvidos no roubo da Tiffany do Shopping Cidade Jardim.

Desde que assumiu, o secretário Antônio Ferreira Pinto já mudou três vezes o titular da delegacia encarregada de investigar esse tipo de roubo. Quer agora aumentar o número de investigadores no setor. "Eu só vejo prisão de autores, mas não vejo recuperação de nenhum anel", cobrou ontem o secretário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.