3 são baleados no Shopping Aricanduva

Dois homens foram presos ontem durante uma tentativa de assalto a uma joalheria no Shopping Aricanduva, na zona leste de São Paulo. Um ladrão, um segurança e um motorista que passava pelo local ficaram feridos no tiroteio - nenhum deles corre risco de vida, segundo a Secretaria de Segurança Pública. O caso foi registrado no 49.º Distrito Policial (São Mateus).

O Estado de S.Paulo

23 Janeiro 2013 | 02h04

Segundo testemunhas, os bandidos entraram na joalheria por volta das 11h, como se fossem clientes, e renderam duas vendedoras. As funcionárias foram levadas para o piso superior da loja. De acordo com elas, os criminosos aproveitaram para roubar as peças que estavam em exposição e no cofre. Antes de sair do local, um dos ladrões trocou de roupa para não ser identificado.

Os seguranças do shopping foram avisados do crime e das características dos bandidos por uma das vendedoras, que conseguiu se soltar. Os vigilantes encontraram os ladrões e, quando se preparavam para abordá-los, foram recebidos a tiros. Eles revidaram. Policiais militares também participaram da ação. Todos os produtos levados da loja foram recuperados pela polícia.

Até as 20h de ontem, a polícia ainda não havia concluído o boletim de ocorrência. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, o bandido baleado pelos vigilantes foi socorrido, recebeu alta e, à noite, prestava depoimento no distrito policial.

Outros casos. Não é a primeira vez que bandidos trocam tiros com seguranças do Shopping Aricanduva nos últimos meses. Em 21 de agosto, o centro de compras foi alvo de dois assaltos que ocorreram quase simultaneamente e que terminaram em tiroteio e perseguição.

O primeiro aconteceu em uma loja da empresa de telefonia Claro, por volta do meio-dia, com a participação de dois homens, que fugiram após a troca de tiros com os seguranças. Foi presa uma mulher, que deu cobertura e auxiliou os bandidos durante a fuga.

Pouco depois, um peruano de 35 anos simulou estar armado e tentou roubar uma sacola com roupas da loja Marisa. Ele foi perseguido pelos vigilantes do shopping e acabou preso por investigadores do 66.º DP (Aricanduva), que estavam no local. / W.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.