3 perguntas para George Hermann Tormin, secretário adjunto de Finanças

1.A proposta visa a aumentar a arrecadação? Não, nossa intenção é apenas coibir a guerra fiscal praticada contra São Paulo. Ao tirarem vantagem de uma alíquota inferior à taxa constitucional, as empresas que prestam serviços na capital, mas têm sede em outras cidades, concorrem de maneira desleal com as demais.

/A.F., O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2012 | 10h09

2. Como essa nova regra será aplicada? Trata-se de uma complementação tributária. Mas, como não temos como saber de antemão quanto as empresas pagam nas outras cidades, vamos cobrar a taxa inteira, de 2%, de todas elas e devolver o excedente.

3. Essa cobrança é legal? Qualquer inovação nessa área tributária está sujeita a questionamentos, mas nosso projeto atende a todos os quesitos legais. Vai dar trabalho colocarmos em prática, mas só assim vamos proteger as empresas de São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.