Paulo Liebert/AE-26/8/2011
Paulo Liebert/AE-26/8/2011

3 das 4 medidas contra enchente estão paradas

Duas obras do pacote contra cheias do governo estadual foram barradas na Justiça; a terceira, para diques do Rio Tietê, ainda não tem edital

Tiago Dantas, O Estado de S.Paulo

06 de setembro de 2011 | 00h00

Quando fala sobre obras de combate a enchentes, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) costuma dizer que as intervenções devem ser feitas nos meses que se escrevem sem a letra "R", ou seja, entre maio e agosto, já que nesta época chove pouco. Até agora, porém, apenas um dos quatro projetos do pacote antienchente apresentado no início do ano começou a ser feito.

O governo do Estado começou o desassoreamento (retirada de sedimentos) dos Rios Tietê e Pinheiros em 26 de maio. Outras duas obras, um canal paralelo ao Tietê no Parque Ecológico e um piscinão no ABC paulista, estão atrasadas por causa de questionamentos de editais na Justiça. Os muros para evitar enchentes na Marginal do Tietê, quarta promessa, aguardam lançamento de licitação.

"O governo não fez o que prometeu. Quando fez, foi abaixo do desejado", diz o professor aposentado de hidráulica da USP Júlio Cerqueira Cesar Neto. "O problema burocrático, de editais, o poder público conhece antes de fazer a promessa."

Agenda. Até o fim de agosto, os sedimentos removidos do Tietê, segundo o Departamento de Água e Energia Elétrica (Daee), correspondem a 11,5% do total de sujeira que precisa ser retirado até dezembro de 2012.

Em um cenário otimista, os diques que evitariam o transbordamento do Tietê perto das Pontes Aricanduva, Vila Maria, Vila Guilherme e Limão ficam prontos em março de 2013. Pela licitação que está sendo feita, a empresa escolhida terá 18 meses para executar o serviço, de R$ 75 milhões.

A construção de um canal de circunvalação (espécie de piscinão na margem direita do Parque Ecológico do Tietê) está parada na Justiça. O Daee espera para poder contratar as obras, de R$ 79,7 milhões. Quando estiver pronto, o canal vai ter capacidade para guardar 1 milhão de m³ de água das chuvas.

O piscinão Jaboticabal, no limite de São Paulo com São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul, também depende da Justiça. Segundo o Daee, a licitação para o reservatório com capacidade para 900 mil de m³ foi lançada em 15 de abril. O investimento é de R$ 80 milhões.

Outro piscinão, o Olaria, no Córrego Pirajuçara, zona sul da capital, deve ser inaugurado em maio de 2012 - o primeiro mês sem "R" do ano, quando a estação chuvosa já acabou.

AS INTERVENÇÕES

Desassoreamento

Cerca de 310 mil metros cúbicos de sedimentos foram retirados do Rio Tietê. Até 2012, serão 2,7 milhões de m3

Diques

Licitação ainda não foi lançada. Obras levam até 18 meses

Canal de circunvalação no Parque Ecológico do Tietê

Edital está parado na Justiça

Piscinão Jaboticabal

Edital está parado na Justiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.