3 agressores da Paulista são libertados

Apenas um adolescente acusado de agredir três pessoas vai permanecer internado na Fundação Casa; maior de idade continua foragido

Plinio Delphino, O Estado de S.Paulo

24 Dezembro 2010 | 00h00

O adolescente V., acusado de espancar três pessoas na Avenida Paulista no dia 14 de novembro, foi libertado da unidade Brás da Fundação Casa ontem, às 15h20, e vai passar o Natal com a família. Outros dois menores acusados do mesmo crime também foram soltos depois que o juiz da 1.ª Vara da Infância e Juventude Egberto de Almeida Penido determinou que eles cumpram liberdade assistida e prestem serviços comunitários em alguma entidade que combata a discriminação.

O único que vai permanecer internado na Fundação Casa é o jovem G., que aparece diante de câmeras de segurança atingindo a cabeça e o rosto de uma vítima com um bastão de luz fluorescente. O juiz individualizou as condutas para chegar a essa decisão. Para o advogado do adolescente ainda internado, Davi Gebara Neto, a sentença foi surpreendente. "Todos estavam juntos, agiram juntos e, por isso, todos deveriam ser soltos", comentou.

Gebara Neto disse que já entrou com pedido de embargo de declarações junto à Justiça. "Quero que o juiz explique melhor a decisão e comente, inclusive, por que não se referiu, em nenhum momento, ao resultado do laudo psicológico do meu cliente, que atesta que ele está completamente apto ao convívio social", disse.

Segundo ele, G. está totalmente prostrado e não dorme direito. "Ele errou. Está arrependido. Os pais sabem que erraram em algum momento e vão cuidar para que isso não ocorra mais. Mas eu não esperava essa distinção da Justiça em relação a esse caso", disse.

Alívio. O advogado Alexandre Dias Afonso, que defende o menor V., descreveu a alegria dos pais de seu cliente. "Estão extremamente gratos e emocionados por poderem passar o Natal com o filho." V. chorou de emoção ao sair da Fundação Casa.

Afonso explicou que V. e os outros dois menores não estavam juntos durante a agressão filmada pela câmera. "Ficaram no meio da rua, longe da ação. O outro garoto (G.) assumiu o ataque. O juiz levou isso em conta."

Procurado pela polícia após ter a prisão decretada pelo mesmo crime, Jonathan Lauton Domingues, de 19 anos, não havia sido preso até ontem à noite.

As vítimas. O estudante L., de 19 anos, teve o maxilar quebrado na agressão sofrida em 14 de novembro e a previsão médica é que ele volte a mastigar só no meio de janeiro. O fotógrafo R., de 20 anos, e o estudante O., de 19, também foram atingidos em momento distinto. O estudante chegou a ser internado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.