255 médicos cubanos vêm atuar em São Paulo

Os profissionais selecionados na segunda etapa do programa Mais Médicos, do governo federal, começarão a atender a população no dia 4. Nesta nova leva, o Estado que vai receber o maior número de médicos é São Paulo, com 276 profissionais que desembarcaram na tarde de ontem na Base Aérea de Guarulhos e foram recepcionados pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Beatriz Bulla, O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2013 | 02h08

Até março de 2014, de acordo com o ministro, o Estado terá "pelo menos" 2,5 mil médicos pelo programa. Padilha reforçou que o critério de distribuição dos médicos toma por base o tamanho da população dependente do Sistema Único de Saúde (SUS) na região e o montante de população pobre que recebe atendimento. "São Paulo foi o que mais demandou médicos para o Ministério da Saúde, por isso também é o que mais recebe médicos mês a mês", disse.

A capital recebe 82 médicos nesta etapa do programa. Guarulhos terá 17 e Campinas, 13. Padilha diz que há municípios grandes contemplados por profissionais, pois existem "bairros inteiros em que a prefeitura, com todo o esforço, não consegue garantir um médico permanente no posto de saúde".

Cotado como futuro pré-candidato do PT ao governo paulista nas eleições de 2014, o ministro rechaçou a ideia de que a distribuição tenha conotação política. Na segunda etapa do programa, só mais dois Estados, além de São Paulo, terão o reforço de mais de 200 profissionais: Bahia (274) e Ceará (212).

Dos 276 médicos que chegaram ao Estado, 255 são cubanos. É o caso de Nancy Garcia, que atenderá a população de Americana, no interior. Segundo ela, a visão sobre a saúde do País, para quem vive no exterior, é de que há médicos que não se habilitam a visitar lugares distantes.

Recuperação. Quatorze profissionais estrangeiros ficaram de recuperação no segundo curso de acolhimento do Mais Médicos. Eles fizeram a prova anteontem, tiraram nota inferior a 5 e passarão por reforço. Ontem, começou a operação para transporte dos 1.947 profissionais aprovados na prova. Outros 220 seriam avaliados. Os médicos formados no exterior e aprovados serão transferidos, até terça, para as capitais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.