22 táxis são apreendidos depois do show do U2

Maioria deles cobrava preço fechado para levar passageiros; quem foi ao Morumbi também sofreu com os flanelinhas

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2011 | 00h00

Quem deixou o carro na garagem para evitar o trânsito no show do U2 na noite de anteontem pagou caro. O mesmo aconteceu com quem tentou estacionar perto do Estádio do Morumbi. Taxistas cobravam mais de R$ 100 na saída da última apresentação da banda irlandesa em São Paulo. Flanelinhas pediam entre R$ 40 e R$ 140 para ajudar motoristas a estacionar, até em local proibido.

A Prefeitura fez blitze com o Departamento de Transportes Públicos (DTP) e a Guarda Civil Metropolitana (GCM) no entorno do estádio e apreendeu 22 táxis - 18 motoristas cobravam valores abusivos, quatro carros eram clandestinos. Fãs que assistiram ao show relataram que a prática é comum e se repetiu no domingo, no segundo show do U2 na capital paulista.

A produtora de moda Daniela Tavares, de 22 anos, caminhou mais de um quilômetro para conseguir um taxista disposto a levá-la ao Brooklin, onde mora. A corrida custa em torno de R$ 30, mas ela pagou R$ 100. " Vários taxistas se recusaram a me levar, pela proximidade."

Antes da apresentação, Fabiana Pires, de 22, gastou R$ 80 em corrida da Avenida Rebouças ao Campo Limpo. Ela voltava com o avô de uma clínica de tratamento de câncer e disse que costuma pagar R$ 45 pelo trajeto. "O taxista alterou o valor por causa do show", reclama.

A psicóloga Roberta Vieira, de 27 anos, parou o carro na rua, na frente do Hospital Albert Einstein. "O flanelinha cobrou R$ 50, mas consegui negociar e ficou a R$ 30." Segundo ela, o preço do estacionamento autorizado era de R$ 150.

Como denunciar

ABUSOS DE TÁXI: ANOTAR PLACA, LOCAL E HORA E TELEFONAR PARA O DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES PÚBLICOS: (11) 2692-3302 /2291-5416

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.