2008: a 'guerra' das polícias

No dia 16 de outubro de 2008, uma marcha dos policiais civis em greve rumo ao Palácio dos Bandeirantes se transformou em confronto com a PM, o maior da história entre as duas instituições, deixando 24 feridos. O então comandante do policiamento da zona oeste, coronel Danilo Antão Fernandes, foi atingido por um tiro de calibre 9 milímetros. Policiais civis dispararam até com fuzis. PMs da Tropa de Choque responderam com balas de borracha e gás lacrimogêneo. Ao menos 14 viaturas foram danificadas - tiveram placas arrancadas, latarias furadas à bala e pneus cortados.

O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2013 | 02h06

Fechado no ano seguinte, o inquérito que deveria apontar culpados criticava a PM e o governo do Estado. A maioria dos policiais civis aparece como vítimas. Não foram identificados os autores dos tiros de fuzil contra o Palácio nem contra os militares.

Mais conteúdo sobre:
PolíciaSPSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.