Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

20% dos escombros foram retirados, diz Corpo de Bombeiros

Trabalho de remoção deve durar pelo menos 15 dias, segundo tenente-coronel; corpo foi localizado nesta sexta

Isabela Palhares, O Estado de S. Paulo

04 Maio 2018 | 16h48
Atualizado 04 Maio 2018 | 18h52

SÃO PAULO - O trabalho de remoção dos escombros após o desabamento do Edifício Wilton Paes de Almeida, no Largo do Paiçandu, deve durar pelo menos 15 dias. Segundo o tenente-coronel Ricardo Peixoto, até a tarde desta sexta-feira, 4, 20% do material havia sido retirado.

Os bombeiros buscam vítimas do desabamento do prédio, que foi abaixo na terça-feira, 1º, após pegar fogo. Nesta sexta-feira, um corpo foi localizado, mas a identidade da vítima não foi confirmada. O corpo era tatuado e teve as digitais preservadas. O secretário da Segurança Pública Mágino Alves esteve no local e disse que será feito um exame papiloscópico para identificar o corpo pelas digitais. 

++ Imagem feita há 1 ano mostra suposta fogueira dentro de prédio que desabou em SP

Os bombeiros ainda buscam por Selma Almeida da Silva, de 48 anos, e seus dois filhos gêmeos (Welder e Wender, de 9 anos), que estariam no 8° andar do prédio. Também entraram na lista oficial de desaparecidos mais duas pessoas: Eva Barbosa Silveira, de 42 anos, e Valmir Souza Santos, de 47. No total, 49 pessoas não foram encontradas. 

Na manhã desta sexta-feira, uma lona azul foi instalada nos fundos do edifício, próximo ao prédio Caracu, para a proteção dos bombeiros.  "Colocamos para evitar escorregamentos e que escombros caiam sobre os bombeiros", afirmou o comandante Max Mena.

Segundo o tenente Guilherme Derrite, os trabalhos de busca e remoção de entulhos continuarão no mesmo ritmo durante este fim de semana. Ao todo, 80 homens trabalham no local em turnos de 12 horas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.