Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

20% dos escombros foram retirados, diz Corpo de Bombeiros

Trabalho de remoção deve durar pelo menos 15 dias, segundo tenente-coronel; corpo foi localizado nesta sexta

Isabela Palhares, O Estado de S. Paulo

04 Maio 2018 | 16h48
Atualizado 04 Maio 2018 | 18h52

SÃO PAULO - O trabalho de remoção dos escombros após o desabamento do Edifício Wilton Paes de Almeida, no Largo do Paiçandu, deve durar pelo menos 15 dias. Segundo o tenente-coronel Ricardo Peixoto, até a tarde desta sexta-feira, 4, 20% do material havia sido retirado.

Os bombeiros buscam vítimas do desabamento do prédio, que foi abaixo na terça-feira, 1º, após pegar fogo. Nesta sexta-feira, um corpo foi localizado, mas a identidade da vítima não foi confirmada. O corpo era tatuado e teve as digitais preservadas. O secretário da Segurança Pública Mágino Alves esteve no local e disse que será feito um exame papiloscópico para identificar o corpo pelas digitais. 

++ Imagem feita há 1 ano mostra suposta fogueira dentro de prédio que desabou em SP

Os bombeiros ainda buscam por Selma Almeida da Silva, de 48 anos, e seus dois filhos gêmeos (Welder e Wender, de 9 anos), que estariam no 8° andar do prédio. Também entraram na lista oficial de desaparecidos mais duas pessoas: Eva Barbosa Silveira, de 42 anos, e Valmir Souza Santos, de 47. No total, 49 pessoas não foram encontradas. 

Na manhã desta sexta-feira, uma lona azul foi instalada nos fundos do edifício, próximo ao prédio Caracu, para a proteção dos bombeiros.  "Colocamos para evitar escorregamentos e que escombros caiam sobre os bombeiros", afirmou o comandante Max Mena.

Segundo o tenente Guilherme Derrite, os trabalhos de busca e remoção de entulhos continuarão no mesmo ritmo durante este fim de semana. Ao todo, 80 homens trabalham no local em turnos de 12 horas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.