2º turno pode tirar maioria de Kassab

O resultado das urnas no segundo turno pode colocar a bancada da Câmara Municipal que deu sustentação por cinco anos à gestão do prefeito Gilberto Kassab (DEM) do lado oposto do front. Nos últimos dois meses, vereadores aliados do prefeito embarcaram na campanha petista ao governo estadual e à presidência. Do "centrão", por exemplo, aliados como Milton Leite e Carlos Apolinário, ambos do DEM, já se distanciaram de Kassab e estão hoje mais próximos da bancada de oposição do PT no Legislativo. E com seu principal expoente, Antonio Carlos Rodrigues (PR), suplente ao Senado de Marta Suplicy (PT), o "centrão" deve pular fora do barco kassabista se Dilma Rousseff (PT) vencer.

Cenário: Diego Zanchetta, O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2010 | 00h00

Nos bastidores, representantes do "centrão" dizem que uma eventual vitória de Dilma vai mobilizar o grupo na gestação da candidatura de Marta à Prefeitura, em 2012. Dessa forma, o governo de Kassab se tornaria "vidraça" para quem o apoiava até junho.

No jogo de forças do Legislativo, pesa contra Kassab, segundo vereadores, o fato de que Marta permitia um loteamento maior de cargos nas 31 subprefeituras. Como o prefeito também não definiu um provável sucessor, vereadores temem que ele escolha um nome do PSDB, partido que tradicionalmente não faz composição com o bloco liderado por Rodrigues.

Caberá a Kassab decidir se vale a pena negociar com o grupo diante do cenário desfavorável entre os parlamentares - e mesmo assim sem garantia de retorno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.