Érica Dezonne/Estadão
Érica Dezonne/Estadão

180 km de vias terão velocidade reduzida

Meta da CET para aumentar segurança no trânsito em São Paulo deve ser implementada até o fim de 2015 em bairros comerciais

Rafael Italiani , O Estado de S. Paulo

13 Dezembro 2014 | 03h00

A cidade de São Paulo deve ter, até o fim do ano que vem, 180 quilômetros de ruas e avenidas com velocidade máxima de 40 km/h, segundo Tadeu Leite, diretor de Planejamento da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). A partir de segunda-feira, a Prefeitura vai implementar a redução em mais ruas da região central de São Paulo. 

O centro da capital foi a primeira região em que a CET começou a adotar a chamada “Área 40”, em outubro de 2013. A velocidade foi reduzida na rótula central, delimitada pelas Avenidas Mercúrio e Ipiranga. De acordo com Leite, após a implementação em caráter de teste nesse trecho, juntamente com outras medidas de proteção ao pedestre, as mortes por atropelamento entre 2012 e o ano passado caíram 5% - de 540 para 513 vítimas. 

Na segunda-feira, trechos das Avenidas Cásper Líbero, Rio Branco, São João, Ipiranga, 9 de Julho, Brigadeiro Luís Antônio e Liberdade e Rua da Consolação, vias que “abraçam” a rótula central, terão a velocidade reduzida pela CET de 60 km/h para 40 km/h. 


“A redução tem a ver com ciclovia e com pedestre. A medida também surge onde estão as altas concentrações, com movimento muito forte de pessoas e veículos”, explicou Leite.

Ainda em 2014, outras regiões da capital serão incluídas na “Área 40”. A prioridade, de acordo com Leite, serão os miolos de bairros movimentados. “A exemplo do centro, serão regiões onde há muita procura por comércio, serviço, educação e transporte público”, explicou o diretor da CET.

Além da região central, alguns bairros também já tiveram a velocidade reduzida para 40 km/h neste ano. Em setembro, foram 9 quilômetros de vias na Lapa, na zona oeste, e 1,7 quilômetro em Santana, na zona norte da capital. 

Em Moema, na zona sul, a redução foi implementada em duas fases, ambas em novembro. O bairro tem 54,5 quilômetros de ruas com velocidade reduzida para 40 km/h. As próximas implementações, segundo a CET, devem ser em bairros como Santo Amaro, na zona sul, e São Miguel Paulista, na zona leste da cidade. 

Reação. “Essa velocidade faz com que o motorista tenha uma maior percepção dos pedestres e ciclistas na via. Ele vai ter mais tempo para frear o carro e, em velocidade menor, o automóvel para mais rápido”, explicou o engenheiro Horácio Augusto Figueira, mestre em Transportes pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP).

O especialista também explicou que pedestres atropelados por veículos a 40 km/h têm mais chances de sobreviver. “É por isso que as áreas comerciais, com muitas estações de metrô, são prioritárias”, afirmou o especialista.

Segundo ele, a redução de velocidade não causa impactos nos congestionamentos. “É difícil um carro conseguir ultrapassar os 40 km/h nos horários de pico.” Figueira também afirmou que a companhia precisa intensificar a fiscalização eletrônica nessas regiões para multar os motoristas que desrespeitem a velocidade de 40 km/h.

Ainda de acordo com ele, em complemento à medida, a CET precisa alterar o tempo dos semáforos. 

Em novembro, a cidade de Nova York, nos Estados Unidos, também começou a baixar a velocidade de algumas vias para 40 km/h.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.