17,8 mil deixam celas no feriado e preocupam PM

Comandos policiais receberam ordem para entrar em estado de alerta; no interior do Estado, detentos beneficiados já são monitorados a distância

CHICO SIQUEIRA / ARAÇATUBA , ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

12 Outubro 2012 | 03h02

A Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) informou ontem que 17.890 detentos do regime semiaberto foram beneficiados pela saída temporária neste feriado. Os comandos da Polícia Militar e da Polícia Civil do Estado receberam recomendação dos superiores para entrar em estado de alerta. A medida é se prevenir para evitar possíveis ataques e atentados ordenados pelo Primeiro Comando da Capital (PCC) aos detentos.

Em São José do Rio Preto, uma megaoperação com 250 homens da PM e Polícia Civil vai fiscalizar os detentos em liberdade e intensificar as blitze na cidade. O trabalho começou na manhã de ontem, quando PMs passaram a monitorar 1,4 mil presos que deixaram o Centro de Detenção Provisória (CDP) e o Centro de Progressão Penitenciária (CPP) instalados na cidade. "Como a maioria reside em outras cidades, os reeducandos foram monitorados a distância e os que moram em Rio Preto e vêm de outros presídios também serão fiscalizados", disse o coronel da PM Azor Lopes da Silva Júnior.

O coronel nega que o esquema seja exclusivamente para evitar ataques do PCC - cuja sigla os policiais civis e militares estão proibidos de falar -, mas admite que a mobilização também evitará possíveis ações do crime organizado. "A operação é para reduzirmos a ocorrência de crimes cometidos por detentos em benefício. Esses crimes aumentam durante a vigência dessas saídas", explicou Silva Júnior. Para evitá-los, segundo ele, a PM e a Civil farão blitze para fiscalizar motocicletas, que são os veículos mais usados em crimes.

De acordo com o coronel, o serviço de inteligência da PM também fará um monitoramento desses detentos em saída temporária. "Os comandos recebem dos juízes de Execução a lista de endereços dos presos, o que facilita a fiscalização", disse. De acordo com o coronel, a medida é necessária porque poucos detentos são vigiados pelas tornozeleiras eletrônicas. Dos 1.396 que saíram do CDP e CPP de Rio Preto, 137 estão sendo monitorados.

Na região de Araçatuba - onde 1,6 mil detentos das penitenciárias de Lavínia, Mirandópolis e Valparaíso receberam o benefício -, investigadores da Polícia Civil já percorrem endereços de familiares de presos com saídas temporárias para checar se estão cumprindo o benefício.

A PM aumentou o número de viaturas e reforçou o trabalho de fiscalização, informou o comandante do 2.º Batalhão da PM, Armando Belentani Filho. Segundo ele, na saída deste feriado os PMs terão um cuidado a mais. "Com a atual situação, nossos homens receberam orientação para ficarem mais atentos", disse.

Defesa. Juiz assessor da Corregedoria Geral de Justiça, Jayme Garcia dos Santos Junior defende a saída temporária. "Permite que o sentenciado volte a ter contato com a sociedade e se adapte ao convívio social." / COLABOROU WILLIAM CARDOSO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.