Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

15 meses após inauguração, obra da Estação Oscar Freire é finalizada

Acesso mais próximo do Hospital das Clínicas não havia ficado pronto a tempo de ser aberto pelo ex-governador Geraldo Alckmin

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

31 de julho de 2019 | 12h38

SÃO PAULO - Passados 15 meses desde que foi aberta, em uma cerimônia pré-eleitoral do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), uma nova cerimônia pública marcou nesta quarta-feira, 31, o término das obras de construção da Estação Oscar Freire, da Linha 4-Amarela do Metrô, que fica na esquina da Rua Oscar Freire com a Avenida Rebouças, em Pinheiros, zona oeste de São Paulo. Um novo acesso com elevador e escada rolante foi aberto na Rebouças, no lado da rua de quem está no quarteirão do Hospital das Clínicas.

A estação tinha promessa de ser entregue em 2014, mas ficou pronta no ano passado. As obras chegaram a ficar paradas entre 2015 e 2016, por divergências entre o Metrô e as empreiteiras que tocavam a obra. Entretanto, como não teria tempo de terminar as obras antes do período eleitoral, quando renunciou para disputar as eleições presidenciais, Alckmin optou por inaugurar a parada com apenas uma de suas saídas, do quarteirão no lado dos Jardins. O ex-governador não foi na cerimônia de término da obra.

A Linha 4-Amarela começou a ser construída em 2004 e começou a ser usada pelo público, em testes, em 2010. A promessa é de que fique pronta no fim do ano que vem, com a inauguração da Estação Vila Sônia, na zona oeste.

O governador João Doria (PSDB) e o prefeito da capital, Bruno Covas (PSDB), desamarraram a fita de inauguração da parada. Estavam acompanhados de secretários ligados a obras e transporte, de auxiliares e correligionários. Doria teve de responder a reivindicação de um grupo que cobra a construção de uma estação no bairro Jardim Ângela, no extremo sul da cidade, e se comprometeu com estudos para viabilizar a parada, que faria parte da Linha 5-Lilás do Metrô.

Nos microfones, o governador retomou anúncios já feitos sobre as obras de seu governo para a área do transporte público: a finalização de obras do monotrilho na Linha 15-Prata, na zona leste; a conclusão da Linha 4-Amarela, com a Estação Vila Sônia; e um trem que será construído pela empresa GRU Airport interligando o Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, com a rede ferroviária do Estado. 

Doria afirmou que, “por essa estação, passarão 100 mil pessoas por dia”, ao se referir ao novo acesso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.