14 anos depois, famílias do Palace 2 só receberam 60% da indenização

Prédio de classe média alta na Barra da Tijuca desabou parcialmente e matou 8 pessoas; Justiça condenou ex-deputado

O Estado de S.Paulo

27 de janeiro de 2012 | 03h03

Catorze anos depois do desabamento do Edifício Palace 2, que deixou oito mortos, as famílias que moravam no local receberam, em média, 60% do valor da indenização definido pela Justiça, de acordo com o advogado Leonardo Amarante, que representa parte das vítimas.

O advogado conta que, em 2009, depois da morte do empresário Sérgio Naya, da construtora Sersan, responsável pelo prédio, os bens que seriam utilizados para o pagamento das indenizações ficaram diluídos, o que provocou atrasos ainda maiores para a liberação dos valores.

"Um fato que favoreceu as famílias é que o Tribunal de Justiça (do Rio) e o Superior Tribunal de Justiça determinaram que as famílias têm preferência no recebimento desses valores, ante fornecedores e outras pessoas", diz Amarante.

O Palace 2 era um condomínio de classe média de 22 andares, construído na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. No terreno, será erguido um novo prédio, batizado de Edifício Marapendi.

O edifício começou a desabar na madrugada de 22 de fevereiro de 1998. Moradores acordaram com um estrondo seguido de tremor. Chamada ao local, a Defesa Civil interditou o prédio. Enquanto as famílias ainda o abandonavam, 44 apartamentos desmoronaram, soterrando oito pessoas, que morreram.

Cinco dias depois, mais apartamentos caíram. No dia 28, o Palace 2 teve de ser implodido emergencialmente. A perícia constatou erros no projeto e na construção do edifício, que nunca teve Habite-se, apesar de, na época, estar ocupado havia dois anos. As 200 famílias que viviam no vizinho Palace 1 também precisaram deixar os apartamentos por causa dos riscos.

Sergio Naya, que foi deputado federal por Minas Gerais, chegou a ficar preso duas vezes e se refugiar nos Estados Unidos. Morreu por um problema no coração em um hotel de Ilhéus, na Bahia. / B.R. e F.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.