Empresa terá de pagar ciclovias em troca de torre

Para que a Construtora Think possa entregar uma torre de 24 andares na Avenida Marquês de São Vicente, na Barra Funda, na zona oeste de São Paulo, a empresa terá que implementar ciclovias na Avenida Pacaembu e na Rua da Consolação.

O Estado de S.Paulo

13 de setembro de 2015 | 02h01

A inauguração do empreendimento está marcada para maio de 2015. O prédio terá 470 apartamentos e até duas vagas para carro por unidade. A medida serve tanto para reduzir os impactos que os veículos irão causar no trânsito da região como também uma forma de a Prefeitura atingir a promessa do plano de metas. A gestão Fernando Haddad (PT) promete fazer 400 quilômetros de faixas para bike até o fim da gestão e até agora fez 260,2. A medida foi publicada na edição de anteontem do Diário Oficial da Cidade.

A medida de passar para o setor privado projetos que são de responsabilidade do poder público não é inédita. Durante a gestão do ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD), a construtora WTorre foi obrigada a cumprir contrapartidas para tornar legal o Shopping JK, na região da Cidade Jardim. A empresa construiu um viaduto interligando a Avenida Juscelino Kubitschek às pistas expressas da Marginal do Pinheiros. Em 2014 a construtora finalizou uma ciclopassarela entre o Parque do Povo e a ciclovia paralela à CPTM. /RAFAEL ITALIANI

Tudo o que sabemos sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.