Seu condomínio em 2017

Seu condomínio em 2017

Angélica Arbex

14 de novembro de 2016 | 11h43

spEstá aberta a temporada de planilhas,gráficos, comparativos e assembleias! Síndicos e administradores discutindo a todo vapor o orçamento dos condomínios. É nessa época que se decide o que vai acontecer com o preço dos condomínios em 2017. Hoje, mais ou menos, R$ 6 milhões de pessoas vivem em condomínios na cidade de São Paulo. Um mercado que movimenta mensalmente cerca de R$ 900 milhões, que gera 200 mil empregos diretos e que cresce a cada dia, Mais e mais prédios são construídos na cidade de São Paulo. Na década passada eram, em média, 400 novos condomínios por ano; agora a média é um pouco menor, porém São Paulo continua sendo a cidade que mais se constrói no país. Para 2017 serão 300 novos empreendimentos entregues.

Mas o que isso tem a ver com você? Um dos R$ 6 milhões de paulistanos que vive  em um apartamento e que acha que seu condomínio só sobre, sem saber direito o que recebe em troca do boleto com letras miúdas pago mensalmente. Afinal, o que você recebe em troca da cota de condomínio? E por que um prédio com nenhum lazer na área comum, com estrutura simples pode ter um condomínio mais alto do que aquele super condomínio clube do final da rua?

É uma conta meio difícil de fazer, mas agora, na época de olhar pra esse orçamento, essa conta interessa mais a você, do que dá pra imaginar. Primeiro, condomínio é um serviço. Com a taxa paga você recebe em troca limpeza, segurança, manutenção e conservação das áreas comuns, da fachada, do seu patrimônio. Segundo e muito importante: condomínio é uma conta de somar e dividir. Todas as despesas somadas são divididas pelo número de apartamentos e a partir daí é calculada a sua cota condominial. Por isso, o seu condomínio, que não oferece nada na área comum, mas que só é compartilhado apenas  por  15 famílias, sempre será mais alto do que aquele condomínio clube, com duas torres e 150 famílias dividindo o espaço e a conta.

Com o que você paga de condomínio são pagos salários e encargos dos empregados, contratos de manutenção, contas das concessionárias, seguros, despesas administrativas gerais e, num condomínio equilibrado, um tanto deve ser guardado para a valorização patrimonial. Por que aí é que esta a diferença de quanto seu apartamento vale hoje e quanto ele valerá em 5 ou 10 anos.

O que fará o seu apartamento valer mais ou valer menos é a forma como ele é cuidado. É por isso que aquele papel do elevador, convidando você para uma reunião onde a prestação de contas é aprovada, e o orçamento para o próximo período é votado precisa entrar na sua pauta. Mais do que quanto o condomínio vai subir, se é caro ou barato, a discussão que realmente vale participar é fora o dia a dia, como esse dinheiro será empregado. Qual é o planejamento para o ano, quais problemas serão resolvidos e principalmente, há, de fato,  um planejamento? Esse é um encontro do qual vale a pena participar. Assim como o planejamento de  no escritório, ou a reunião com os professores dos filhos. A vida coletiva pressupõe, antes de mais nada, decisões que representem a maioria. Você pode escolher: ou participa, vota, interage, propõe; ou fica sabendo depois o que ficou decidido quando receber seu próximo boleto mensal.