A primeira vez

A primeira vez

Angélica Arbex

27 de agosto de 2015 | 17h45

primeira vez

Um em cada três paulistanos mora em condomínios. Alguns já estão na terceira geração da vida vertical e muito acostumados com os códigos do espaço compartilhado. Porém, nos últimos 5 anos a quantidade de empreendimentos econômicos lançados e entregues e a verticalização dos bairros menos centrais criou um novo grande grupo de paulistanos: os condôminos de primeira viagem.

Nos últimos 4 anos cerca de 500 mil pessoas mudaram-se da casa para o apartamento na cidade, mais de 80% delas concretizando, com esta mudança, o sonho do imóvel próprio. É muito interessante ver como os grupos vão se formando, as afinidades aparecem, as dificuldades também. A grande maioria das pessoas que nunca morou em condomínio não sabe bem o quanto a vida muda quando isso acontece.

Se essa é a sua primeira vez, confira essas dicas, certamente elas vão te ajudar na vida vertical.

1)      Regras: todo condomínio tem regras para convivência. A primeira coisa que você precisa fazer quando pega as suas chaves é conhecer o regulamento interno do prédio. Ele funciona como um guia de direitos e deveres para uma convivência mais harmônica.

2)      Reforma: diferente de uma casa, se você for reformar seu apartamento isso precisa ser comunicado ao Síndico. Para saber mais sobre isso leia aqui.

3)      Funcionários: o zelador, porteiro, equipe de limpeza são funcionários do condomínio e não dos condôminos. Portanto, não espere nem cobre isso deles. Zelador não pode receber encomenda por você, trocar chuveiro, ajudar na mudança, fiscalizar seus filhos brincando na área comum.

4)      Fachada: o seu apartamento faz parte de um condomínio com projeto arquitetônico definido e padronizado. Qualquer alteração na fachada só pode ser realizada com votação na assembleia. Isso vale, inclusive, para fazer o fechamento com vidro, para fechar a área de serviço e para realizar alterações no hall de entrada.

5)      Pagamento do condomínio: o valor que você paga por mês de condomínio é uma despesa fixa e contínua. Esse dinheiro vai para pagar o salário dos funcionários, conservação de equipamentos das áreas comuns, contratos de manutenção, pagamento de água e luz, realização de benfeitorias etc. Este não é um serviço opcional e precisa sem considerado como uma despesa recorrente no orçamento familiar.

6)       Assembleias: nessas reuniões é que são tomadas as decisões mais importantes do condomínio. O que vale é a opinião da maioria presente, se não foi à assembleia, não tem como colocar a sua opinião ou discordar do que ficou definido.

7)        Ser Síndico não é fácil, mesmo. Além de tudo que você já sabe, ele ainda é o responsável civil e criminalmente pelo condomínio. As vezes você pode discordar das decisões dele, mas ele está lá para ajudar a organizar essa vida em comum, lembre sempre disso.

Muitas são as vantagens de morar em condomínio. Segurança, qualidade de vida,  lazer, ampliação do círculo de amizades e até possibilidades de negócio estão entre as coisas boas que o condomínio pode fazer por você.

Conheço muitas histórias de professores de música, de línguas entre outras atividades que estão com todos os seus horários ocupados por outros condôminos. Serviços compartilhados, caronas, grupos de corridas e esportes. São múltiplas as possibilidades que os paulistanos de primeira viagem estão descobrindo e criando. Pense em como novas possibilidades podem aparecer na sua vida na próxima vez que apertar o botão do elevador.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: