Após 4 horas, cidade sai do estado de atenção; houve alagamentos

Estadão

11 Dezembro 2010 | 18h58

SÃO PAULO – Toda a cidade de São Paulo saiu do estado de atenção às 21h05, após quatro horas, após a chuva que caia perder intensidade. Por causa do temporal, o Centro de Gerenciamento de Emergências registrou cinco pontos de alagamento, a maioria na zona norte da capital. Por volta das 22h, dois deles ainda estavam ativos e um era intransitável.

Devido às altas temperaturas e à umidade vinda do oceano, associadas a áreas de instabilidade vindas do Sul do Brasil, pancadas de chuva de até forte intensidade se formaram e atingiram a região sul no início da tarde. No fim da tarde, choveu forte entre a zonas norte e leste e na zona oeste.

O ponto de alagamento intransitável estava na Marginal do Tietê, próximo a Ponte Cruzeiro do Sul, para quem seguia em direção a Castelo Branco. Por causa do alagamento, a pista tinha lentidão na aproximação.

Os outros pontos de alagamento que ainda afetava o motorista, mas eram transitáveis, estava também na Marginal do Tietê, na altura da Ponte Vila Guilherme, no mesmo sentido que o primeiro.

Os outros três alagamentos registrados foram nas avenidas Zaki Narchi e Sumaré e na Estrada de M’Boi Mirim, mas o nível da água já baixou.

Árvores. A CET registrou ao menos quatro queda de árvores neste sábado, três deles depois do início das chuvas. Os incidentes aconteceram nas ruas Dr. Rafael de Barros, Aluísio Azevedo, Passos Ourique e Tuiuti.

Mais cedo, a Secretaria de Coordenação das Subprefeituras realizou um mutirão de poda de árvores nas regiões Sé e Pinheiros, respectivamente no centro e na zona oeste.  A operação, em parceria com a Eletropaulo, contou com 71 funcionários das subprefeituras. Quarenta árvores foram podadas nas ruas Groenlândia, Norma Pieruccini, Colômbia, avenida Rudge e Rio Branco.

Neste ano, as subprefeituras receberam cerca de 300 mil pedidos para poda de árvores na cidade, sendo que mais de 700 mil intervenções foram realizadas.