Alagamentos na palma da mão

Estadão

20 de setembro de 2010 | 17h02

Que tal em um aplicativo gratuito para celular que indica em tempo real onde estão os pontos de alagamento na cidade? Foi o que pensou o programador Noel Rocha, de 24 anos, ao desenvolver o “Alaga SP” para iPhones. A ideia surgiu entre o fim do ano passado e o início de 2010, com os mais de 40 dias ininterruptos de chuvas em São Paulo.

iphone_alaga.jpg

“Todo dia eu ficava me perguntando onde é que estaria alagado”, conta o paulistano. “Depois vi que todos se perguntavam a mesma coisa, então resolvi colocar o serviço na internet.”

Noel se desloca todos os dias do quilômetro 21 da Rodovia Raposo Tavares, onde reside, até o centro de São Paulo. Como milhões de paulistanos, seu trajeto até o trabalho foi prejudicado na época de chuvas, em janeiro. Após conhecer o site do Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) da Prefeitura, sentiu-se incomodado pelo fato de que só podia ver os dados justamente quando não precisava mais – em casa ou no escritório.

O aplicativo divide a capital entre suas cinco regiões e pelas marginais Pinheiros e Tietê. De acordo com o monitoramento do CGE, o usuário fica sabendo na hora onde estão os alagamentos.

E Noel já planeja aperfeiçoar o serviço. No próximo mês o programa deve ganhar uma atualização que permitirá mostrar um mapa detalhado das regiões prejudicadas. Hoje, apenas textos são informados. A sugestão foi dada pelos usuários, que podem enviar suas opiniões pelo próprio “Alaga SP”. “Agora é esperar a próxima chuva para ver se está funcionando bem”, brinca.

De olho nos rios. Outra tentativa de criar um sistema de monitoramento de enchentes foi proposta pelo professor Jó Ueyama, do Instituto de Ciências Matemáticas e Computação da USP de São Carlos. Ele desenvolveu  um sensor capaz de emitir um alerta cada vez que um rio está prestes a transbordar. O equipamento também consegue medir a poluição das águas.

A ideia do professor seria usar os sensores no Rio Tietê, mas isso depende de negociação com o Departamento de Águas e Energia Elétrica (Daee) do Estado de São Paulo. Leia reportagem completa no JT.

Eduardo Roberto

Mais conteúdo sobre:

Curiosidades