Problemas no estacionamento do Zoológico

Problemas no estacionamento do Zoológico

Luciana Magalhães

15 de outubro de 2014 | 11h00

O local não se preocupa com a segurança dos visitantes, reclama a leitora

 

 

Reclamação da leitora: Reclamo do estacionamento do zoológico.  Além de representar um desserviço, gera riscos à segurança dos visitantes.  Além disso, os carros são deixados ao lado das vias e, com isso, os visitantes são obrigados a transitar no meio da rua de terra, com carrinhos e crianças, desviando dos carros que esperam para estacionar. Quando questionei um funcionário sobre a situação, ele me respondeu que há  uma passarela para os pedestres. De fato há uma passarela, mas ela só atende a uma parte mínima do estacionamento. Marta Almeida / São Paulo

 

Resposta: A Ouvidoria do Zoológico esclarece que o estacionamento  é terceirizado e que, apesar de relativamente grande, comporta um número limitado de veículos. Em finais de semana de tempo bom e em feriados prolongados, o volume de público aumenta, assim como a quantidade de motoristas em busca de vagas para estacionar. Sobre a estrutura, informa que está sendo avaliada pela Diretoria do Zoológico, que encontra problemas ambientais para a reforma do mesmo. O espaço difere de estacionamentos com piso impermeabilizado, situados em locais fechados, como nos shoppings, por exemplo. Aqui a rusticidade do ambiente tem a ver com a não degradação da natureza.  Além disso, por estar numa área de proteção ambiental, remanescente da Mata Atlântica, não há condições legais para derrubar a mata a fim de se ampliar o estacionamento. Por isso, estão sendo estudadas outras formas de disponibilizar mais vagas e melhorar as existentes.

 

Réplica da leitora: A principal preocupação e o desconforto é com a quantidade de carros e a forma como são estacionados e não com o tipo de piso. Ressalto ainda que quando saí às 12 h do zoológico ainda havia vagas, e que mesmo em dias de pouco movimento, a orientação que recebo para estacionar é a mesma.

Foto: Marta Almeida

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.