Preço de produtos para o Dia das Mães pode variar até 240%, aponta Procon

Marco Antônio Carvalho

05 de maio de 2015 | 14h08

Pesquisa feita pelo órgão de defesa do consumidor ratifica necessidade de se pesquisar em diversas lojas antes de fechar a compra

Uma pesquisa de preço de produtos voltados para o Dia das Mães mostrou que um mesmo item pode apresentar diferença de até 240% no valor de venda. A análise foi feita pelo Procon estadual de São Paulo, que chamou atenção para a necessidade de os consumidores pesquisarem em diversos estabelecimentos antes de fechar a compra.

Veja também: Dia das Mães vai movimentar comércio; conheça direitos do consumidor

O produto que mais apresentou discrepância entre duas lojas foi uma prancha para cabelo, que custou R$ 49,90 em um estabelecimento e foi encontrada por R$ 169,90 em outro. Foram pesquisados 72 itens, entre smartphones, tablets, secadores, pranchas, depiladores, cafeteiras e outros.

A coleta feita com objetivo de oferecer uma referência ao consumidor foi efetuada em dez lojas do varejo distribuídas nas regiões norte, sul, leste, oeste e centro da cidade de São Paulo.

“É importante buscar informações sobre o fabricante do produto que será comprado. Questões como a qualidade do serviço de atendimento ao cliente, a rede de assistência técnica autorizada, a existência de reclamações registradas nos Procons (se são atendidas ou não) devem ser consideradas na hora da escolha”, declarou o órgão de defesa do consumidor em nota à imprensa.

O Procon lembrou a necessidade de entrega de nota fiscal ao consumidor e a obrigatoriedade da presença do manual de instrução em língua portuguesa para produtos como eletroeletrônicos, eletrodomésticos e itens de tecnologia. Caso o produto apresente algum problema de fabricação, os prazos para reclamar junto ao fornecedor são de 30 dias no caso de produtos não duráveis e de 90 dias no caso de produtos duráveis, como eletrodomésticos, roupas, carros.

Confira

Documento

a pesquisa completa.

Tudo o que sabemos sobre:

Procon

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.