‘Onde está o Psiu?’

Jerusa Rodrigues

22 de agosto de 2013 | 18h37

Obra na Av. Jornalista Roberto Marinho segue durante a madrugada, reclama leitor

Reclamação do leitor: É a terceira vez que escrevo ao jornal para reclamar da imensa falta de respeito demonstrado pelo Consórcio Monotrilho Integração (CMI) em relação aos direitos das pessoas, no que se refere ao silêncio após as 22 horas. O trecho em que esse barulho todo está sendo feito fica na Avenida Jornalista Roberto Marinho, entre as Ruas Zacarias de Góes e Vicente Leporace, no Campo Belo. No dia 17/8, por exemplo, na madrugada de sexta para sábado, os gênios planejadores do CMI decidiram que às 3 horas da manhã era o horário ideal para se elevar guindastes barulhentos e para iniciar o serviço de funcionários que gritam ordens e instruções para a colocação de suporte de trilhos. Um verdadeiro absurdo! Pergunto: O que aconteceu às leis deste país? Foram todas abolidas? Como uma empresa como essa continua a operar normalmente, fazendo o que bem entende, na hora em que bem entende e nenhuma autoridade toma providências contra esse abuso? Onde está o Psiu? Como se faz para processar o CMI e exigir que a empresa respeite o direito das pessoas? Não adianta reclamar. O consórcio manda um comunicado se  “desculpando” pelo incômodo. Mas por trás da mensagem está: “Vamos continuar nos desculpando e só, pois fazemos o que queremos e vocês que se lixem”! Certamente, no ano que vem, vou lembrar desse desrespeito quando o sr. Alckmin vier pedir meu voto. Vidal Varella Filho / São Paulo

Resposta: O Programa de Silêncio Urbano (Psiu) informa que vai entrar em contato com a empresa responsável pelas obras para orientá-la sobre as reclamações e os horários de realização do serviço. O Psiu continuará monitorando o local e, caso haja desrespeito ao horário, uma vistoria será feita e a empresa estará sujeita à autuação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: