Obra começou às 7 horas no feriado de 9 de Julho

Jerusa Rodrigues

19 de julho de 2013 | 20h56

“Aos responsáveis interessa apenas o próprio cronograma gerido por uma ganância repreensível”, reclama leitor

Por Jerusa Rodrigues

Reclamação do leitor: No feriado de 9 de Julho, dia em que eu esperava dormir um pouco mais, fui acordado logo às 7 horas pelo dedicado pessoal da construtora do monotrilho aqui na Av. Jornalista Roberto Marinho, com marteladas e outros barulhos insuportáveis (às 15 horas o barulho continuava). Estranho, porque no dia 8, ninguém da empresa trabalhou – e no dia seguinte, mais estranho ainda, somente o pessoal da construção de uma estação (exatamente em frente ao prédio onde resido), foi escalada. Pergunto: uma vingança pessoal dos brilhantes engenheiros planejadores do serviço? Isso é um absurdo! Esse pessoal precisa aprender a respeitar o direito dos outros. É preciso que lembrem aos seus superiores que esse tipo de comportamento tira votos dos patrões deles (aliás, o meu e de meus amigos, sr. Alckmin, irão para algum concorrente seu, em 2014). Aposto que os diretores e gerentes da construtora devem estar, a essa hora, aproveitando o feriado em algum lugar sossegado, longe do barulho infernal da capital. Vidal Varella Filho / São Paulo

Resposta: Em atenção à reclamação do leitor Vidal Varella Filho, a Companhia do Metrô esclarece que os trabalhos de lançamento de vigas do monotrilho da Linha 17-Ouro vêm sendo realizados regularmente, nos dias úteis, ao longo da Av. Jornalista Roberto Marinho, com o uso de dois equipamentos de grande porte (guindastes), os quais exigem a interdição parcial do viário, razão pela qual sua execução somente é autorizada pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) na madrugada, período em que o fluxo de veículos no viário é reduzido, de forma a minimizar os impactos no trânsito da Capital. Excepcionalmente na data mencionada, dia 9/7, em função da complexidade da operação que seria realizada, com necessidade de interdição total da Av. Jornalista Roberto Marinho, bem como do Viaduto da Av. Vereador José Diniz, a referida operação teve sua realização autorizada na madrugada do feriado, considerando-se que o impacto no trânsito da região seria reduzido. A execução da atividade, tanto o Metrô quanto o Consórcio Monotrilho Integração, responsáveis pela operação, adotaram todas as medidas mitigatórias cabíveis, bem como a comunicação prévia do evento à população lindeira, distribuindo comunicado entre os dias 5 e 6/7. O Metrô lamenta os transtornos causados.

Réplica do leitor: Quem respondeu ao meu e-mail precisa precisa aprender a ler. Com uma desfaçatez sem medidas, fala de algo que não era o centro da minha reclamação (jamais citei a Av. Vereador José Diniz nem disse que o barulho se devia a um guindaste que içava peças pesando toneladas e que, por isso, era necessária a interdição total da via). Eu me referi a outro fato. Citei a obra e o lugar totalmente diferentes dos presentes na resposta recebida. A eles interessa apenas o próprio cronograma, gerido por uma ganância repreensível.