Leitor reclama de alterações na rede de atendimento médico da Amil

Operadora informa que entrou em contato com o cliente para reforçar a indicação de canais de consulta à rede credenciada

Renata Okumura

08 de novembro de 2021 | 05h00

O leitor Alceu Tiburcio dos Reis reclama de mudança de rede credenciada em plano de saúde da Amil. Os atendimento, que já era feitos com os mesmos profissionais há anos, sofreram alterações por conta da realocação de laboratórios e consultórios. Ele afirma

Foto: Pixabay

Reclamação do leitor Alceu Tiburcio dos Reis: “Desde 2003, quando trabalhava em uma empresa, tínhamos um convênio familiar com a Medial, que hoje é Amil. Optei por esse convênio porque tinha médicos (urologista e cardiologista) que já acompanhavam a minha saúde. Não sei onde está o contrato inicial e, mesmo que o encontrasse, não conseguiria descobrir o que tenho ou não de direito numa leitura simples. Ocorre que vinha sendo atendido de maneira satisfatória, até que a cardiologista saiu e não sei por qual motivo. Em seguida, foi o urologista, que deixou de atender meu plano no endereço habitual para atender em consultório próprio, e apenas os planos mais caros. Assim, perdi os dois profissionais que me atendiam havia pelo menos 20 anos.

Agora, foram os laboratórios. De todos os mais famosos, os que têm rede de endereços com várias opções, apenas o Lavoisier nos atendia, e era muito bom. Mas, de repente, houve descredenciamento e não colocaram ninguém no lugar. Hoje, nem sei a quem recorrer, aos 74 anos. Tenho de ir sozinho ao médico ou fazer exames, além de acompanhar minha esposa, quatro anos mais velha, que não dirige. Não se trata de vitimismo, pois tenho saúde e disposição para tal. No entanto, sem uma rede credenciada de respeito, e desconhecendo aquelas a que tenho direito, fica muito mais difícil para mim. No meu bairro, Rio Pequeno e adjacências, não existe nenhum. O último exame fiz em um laboratório na Lapa, que tem um nome respeitável, porém atende muita gente, fica lotado, sem condições de manter o isolamento social ainda exigido pelas autoridades sanitárias.

O que estou reivindicando é que meu convênio se manifeste e veja o que é possível fazer por mim e pelo plano que eu posso pagar, e que já pago por quase duas décadas. Além disso, forneça nomes e endereços de prestadores a quem eu possa procurar sem perda de tempo. Recentemente, precisei de uma ressonância magnética da próstata e ela foi negada. Por desconhecimento do direito, a decepção é ainda maior.

Está difícil. Gostaria de receber uma informação. Ligo para os laboratórios ou médicos e, quando digo o plano que tenho, eles dizem que não podem me atender. É desgastante, tenho de descobrir no dia a dia o que o convênio poderia adiantar. Para encarar laboratórios como o que visitei na Lapa, é preferível cancelar o convênio, mas esse é o momento em que nós mais precisamos dele.”

Resposta da Amil: “Informamos que entramos em contato com Sr. Alceu Reis para reforçar a indicação de canais de consulta à rede credenciada. A Amil reforça que sua rede credenciada é composta por prestadores de referência nacional e que eventuais mudanças cumprem todas as normas da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) no que se refere à comunicação, garantia de cobertura, prazos de atendimento, distribuição geográfica e padrão de qualidade.”

Envie suas reclamações

Mande uma mensagem para o e-mail spreclama@estadao.com ou por WhatsApp para o número (11) 97069-8639. Nossa reportagem vai apurar a denúncia.

Tudo o que sabemos sobre:

Amilplano de saúdeatendimento médico

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.