Leitor questiona bloqueio em programa de milhas

Smiles entrou em contato com o cliente para esclarecer as dúvidas

Renata Okumura

08 de janeiro de 2019 | 05h00

Há alguns anos, Randal Bressanin é cliente da Smiles. Atualmente, ele tem 80 mil milhas, mas ao acessar o cadastro foi informado que deveria entrar em contato com a Central de Atendimento. Segundo ele, o atendente relatou que ele havia feito uma compra de mil milhas ao valor de R$ 70 e que o pagamento tinha sido estornado em seu cartão. Ele está como inadimplente na Smiles e teve os pontos bloqueados.

Foto: Pixabay / Free-Photos

Reclamação de Randal Bressanim: “Sou cliente Ouro do programa de pontos da Smiles. Atualmente, eu tenho aproximadamente 80 mil milhas. Ao tentar acessar meu cadastro, fui orientado a entrar em contato com a Central de Atendimento. Fui informado que fiz a compra de 1.000 milhas Smiles ao valor de R$ 70 e que o pagamento foi estornado do meu cartão de crédito. Por consequência, entrei em uma ‘lista negra’ da Smiles sob alegação de estar em análise administrativa por inadimplência. Não recebi qualquer contato do Smiles e simplesmente tive meu acesso bloqueado. Não me recordo de ter feito a suposta compra de mil milhas, mas caso tenha feito, pagarei com toda certeza. O que questiono é a Smiles atender um cliente Ouro desta maneira.”

Resposta da Smiles: “A Smiles entrou em contato com o cliente e todas as dúvidas foram esclarecidas. A Central de Relacionamento da Smiles permanece à disposição pelo site www.smiles.com.br ou pelos telefones: Smiles e Prata – 0300 115 7001 – Diariamente, das 6h à meia-noite (Capitais e regiões metropolitanas) e Ouro e Diamante – 0300 115 7007 – Diariamente, 24 horas (custo de uma ligação local).”

Envie suas reclamações
Mande uma mensagem para o e-mail spreclama@estadao.com ou por WhatsApp para o número (11) 97069-8639. Nossa reportagem vai apurar a denúncia e apresentar a resposta no blog Seus Direitos, um espaço voltado ao cidadão e ao consumidor.

Tudo o que sabemos sobre:

Smilesqueixa

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.