Leitor critica proibição de transporte de bicicleta pela CPTM

Jerusa Rodrigues

21 Julho 2013 | 09h00

Governos devem promover o uso desse meio de transporte, defende Proteste

Por Jerusa Rodrigues

Reclamação do leitor: O Metrô libera os usuários a transitar com suas bicicletas no último vagão em horários especiais, porém a CPTM não permite a baldeação, por isso sou obrigado a pedalar na Marginal do Pinheiros, o que é um perigo! Gostaria de solicitar que a proibição pela CPTM fosse revista. Maurício Lamano Ferreira / São Paulo

Resposta: A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) informa que é permitido o transporte de bicicletas no sistema aos sábados, a partir das 14 horas, e aos domingos e feriados o dia todo, quando há redução no movimento de passageiros. No momento, não há estudos para a ampliação desse horário, já que a liberação do transporte de bicicletas em dias úteis poderá causar redução na oferta de lugares, nesse período de grande demanda. A CPTM apoia e incentiva a prática de utilização de bicicletas. Ao todo, a Companhia conta com 24 bicicletários,  21 próprios e três com parceiros privados, além da Ciclovia Rio Pinheiros.

Réplica do leitor: É lamentável o discurso de que existe apoio ao ciclista. Se o transporte de passageiros fosse um “problema”, como a CPTM menciona, o Metrô estaria um caos, pois permite o transporte de bicicletas durante a semana. Qual é a verdadeira justificativa para não abrir o transporte de ciclistas em horários semelhantes ao do Metrô? Se conseguirem responder a esta pergunta de forma consistente me dou por satisfeito.

Análise: É importante a iniciativa dos governos em promover o uso de bicicletas como veículo de integração para os usuários de transporte público. Por isso, o leitor, como cidadão deve encaminhar a sua solicitação para a Ouvidoria da CPTM, como sugestão e pedido de avaliação para que a empresa institua, a exemplo do Metrô, novos períodos em que se possa transportar  bicicletas pelo  sistema. Basta planejamento e criação de programas para o uso de bicicletas para melhorar a qualidade de vida dos passageiros. Afinal, a bicicleta é uma alternativa sustentável de meio de transporte e, por isso, o Estado deve incentivar o seu uso. Trata-se de uma forma saudável de deslocamento urbano, além de ajudar ao meio ambiente. Para que haja equilíbrio no trânsito, o ideal é que as bicicletas e os demais veículos não dividam o mesmo espaço no tráfego, o que é uma razão a mais para a CPTM rever sua atitude. Os resultados de um estudo da Proteste sobre esse tema apontou a necessidade de políticas públicas adequadas, planejamento e programa para incentivar o uso das bicicletas, sem pôr  em risco a segurança do usuário. Foi feito encaminhamento para os governos do Rio de Janeiro e de São Paulo pedindo aperfeiçoamento das políticas públicas para a utilização de bicicletas nas vias públicas, sem riscos, uma vez que o estudo identificou a despreocupação dos ciclistas com a própria segurança. Também é importante alertar os usuários sobre os seus direitos e deveres. Maria Inês Dolci é  coordenadora institucional da Proteste Associação de Consumidores.