Leitor cobra entrega de encomenda

Correios afirmam que os prazos de entrega informados pelas lojas virtuais não são de responsabilidade da empresa

Renata Okumura

19 de junho de 2020 | 05h00

José de Souza comprou medicamentos no site Mercado Livre que deveriam ser entregues pelos Correios. Ele disse que recebeu o código de rastreamento, mas na data prevista para entrega, o produto ainda estava em outro município. Além disso, o prazo para receber o produto foi postergado.

Foto: Rafael Arbex/ Estadão

Reclamação de José de Souza: “Comprei um medicamento no Mercado Livre. Recebi a nota fiscal e confirmação de que a postagem seria feita até 3 de junho. Porém, a encomenda foi encaminhada para Cajamar e o prazo dos Correios passou para 15 de junho”.

Resposta dos Correios: “Inicialmente os Correios esclarecem que o objeto foi postado como encomenda PAC. Conforme informado em nosso sistema de rastreamento, essa modalidade tem um período maior de entrega. Ou seja, o objeto ainda está dentro do prazo. Ressaltamos que os prazos de entrega informados pelas lojas virtuais não são de responsabilidade dos Correios. Diante do cenário de pandemia, os Correios estão promovendo adequações nas operações para garantir o funcionamento e o acesso aos serviços postais. Eventuais casos de inconformidades ou contratempos nos serviços de entregas, quando reportados à empresa por meio dos canais oficiais de relacionamento, estão sendo prontamente averiguados e solucionados. Lamentamos o transtorno”.

Envie suas reclamações
Mande uma mensagem para o e-mail spreclama@estadao.com ou por WhatsApp para o número (11) 97069-8639. Nossa reportagem vai apurar a denúncia e apresentar a resposta no blog Seus Direitos, um espaço voltado ao cidadão e ao consumidor.

Tudo o que sabemos sobre:

leitorSP Reclama

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: