Invasão de terreno particular

Jerusa Rodrigues

28 Maio 2013 | 17h22

“Parece filme de uma cidade sem lei, as pessoas de vários lugares chegam e brigam pelo seu pedaço de terra”, relata leitora

Por Jerusa Rodrigues

Reclamação da leitora: Gostaria de pedir ajuda para cobrar providências de autoridades referente à invasão dos terrenos localizados na Avenida Cursino, na altura do n.º 5.000, com a Rua Hercílio Contrucci e Av. dos Pedrosos, na altura do n.º 105. Os dois terrenos são particulares e pertencem ao mesmo dono. Os locais foram invadidos no dia 10/5 e, desde então, nós, moradores do bairro, não tivemos mais sossego. Parece filme de uma cidade sem lei, as pessoas de vários lugares chegam e brigam pelo seu pedaço de terra. Os terrenos estão todos demarcados e todos os dias há caminhão encostando, madeira descendo e barracos sendo construídos. Nós, moradores, que pagamos impostos, não conseguimos dormir com a má qualidade do ar, por causa das fogueiras que essas pessoas fazer. A qualidade do ar fica péssima, sem falar na fuligem, que não permite deixar nada limpo. E o que mais nos revolta é que à noite a rua fica intransitável, por causa da grande quantidade de carros dos invasores no local, entre eles até zero km. Quer dizer: não tem dinheiro para moradia, mas tem para carro novo e em alguns casos zero? Cansamos de ligar na Subprefeitura Ipiranga para solicitar providências. A resposta é de que eles não podem fazer nada, pois o terreno é particular. Soubemos que o proprietário já entrou com uma reintegração de posse, porém até agora nada aconteceu. Enquanto isso ficamos à mercê dessa situação? B. M.*/ São Paulo

Resposta da secretaria: A Secretaria de Coordenação das Subprefeituras informa que a ocupação do terreno mencionado teve início no dia 11 de maio. A área é de propriedade particular, e o proprietário conseguiu liminar na Justiça para efetivar a reintegração de posse de todo o terreno. No local, é permitido construção de unidades habitacionais, para famílias com renda de até 6 salários mínimos, já que se trata de Zonas Especiais de Interesse Social (Zeis). A Prefeitura está levantando o número exato de famílias que estão no local, para encaminhá-las aos programas sociais adequados.

Réplica da leitora: Nós, moradores, sabemos que este terreno é particular e que é Zeis.  Ouvimos falar que se estuda um projeto  de construção de condomínio residencial e  achamos ótimo, se for  construção consciente, organizada. Porém o que está  ocorrendo  é que a  invasão  ao meu ver também é um problema público, pois a cada dia que passa não para de aumentar o número de famílias a chegar. E, com isso, acredito que todos perdemos,  pois com o problema da invasões, vem outros problemas agregados, como uso de energia elétrica clandestino – o famoso gato, fico imaginando como aquelas pessoas estão fazendo em relação à rede de esgoto naquele terreno gigante. Concordo que muitas daquelas pessoas não têm condições e necessita de uma ajuda do governo para conquistar seu teto, porém acredito que a forma mais correta seja procurar um projeto de moradia que se enquadre a elas.  Não sair invadindo e tomando posse  do que é dos outros.

*a leitora pediu para não ser identificada, com medo de represálias.