Gerador ‘barulhento’ funciona 24 horas por dia

Luciana Magalhães

20 Novembro 2013 | 13h00

“A situação está crítica e a Prefeitura se faz de morta”, diz leitor

Por Luciana Magalhães

Reclamação do leitor:O Instituto Nacional de Farmacologia (Infar), entidade ligada à Escola Paulista de Medicina da UniFesp, situado na Rua Três de Maio, produz um barulho insuportável, por causa do ruído de máquinas, ar condicionado, compressores, 24 horas por dia. Segundo os próprios técnicos que fizeram a medição, o meu apartamento é o que sofre com o som mais alto. Na portaria do instituto há um formulário manuscrito orientando a direcionar as reclamações para a Coordenadoria do Infar,  por conta do grande número de queixas que o porteiro recebe. A Prefeitura se faz de morta, pois, mesmo reclamando no 156,   na internet e Ouvidoria nunca  foi enviado alguém para fazer a medição do ruído, muito menos para autuar esse vizinho barulhento. Serei obrigado a mudar de residência?  Fernando Rodrigo Rolnik Babicz / São Paulo

Resposta: A Secretaria de Coordenação das Subprefeituras, por meio do  do Programa de Silêncio Urbano (Psiu) informa que já realizou vistoria no campus da Unifesp e intimou os responsáveis a providenciar o isolamento acústico do local, além de orientá-los sobre a legislação e as reclamações de ruído. Após o prazo legal para regularização, o Psiu fará nova vistoria e, caso o ruído emitido esteja acima do limite estabelecido por lei, a universidade será autuada.

Resposta: O Instituto de Farmacologia (Infar), da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), esclarece que algumas medidas emergenciais foram tomadas para diminuir a incidência de ruído nos arredores do prédio do instituto. No período noturno foram desligados 70% dos aparelhos do local e a torneira de entrada da caixa d’água inferior, que também emitia grande ruído, já foi trocada. Além disso, foi detectado que um dos aparelhos de ar condicionado está com a vida útil comprometida e por isso será trocado. Dois outros aparelhos (também de ar condicionado) serão remanejados para outro local e o compressor de uma câmara fria será revestido acusticamente.

Réplica do leitor: Há duas semanas um funcionário da empresa de manutenção do ar condicionado da Unifesp veio medir o nível do ruído no apartamento. Porém, após a visita, o barulho aumentou. Enviaram um relatório com os níveis de ruído assumindo que estão acima do permitido, porém não tomaram nenhuma providência. Cansado de dias sem dormir, mandei um e-mail desesperado para a Ouvidoria da Unifesp e no mesmo dia os funcionários da empresa do ar condicionado voltaram com um inspetor da universidade e mediram o ruído novamente. Resumindo, nada foi feito e a situação só se agrava. O barulho está cada dia pior. Não sei mais o que fazer.