Pesquisa mostra que, em situação financeira desfavorável, brasileiros têm saúde mais afetada do que europeus

Jerusa Rodrigues

20 Fevereiro 2014 | 18h26

O consumo de ansiolíticos e antidepressivos também é maior no Brasil em época de crise econômica

Por Jerusa Rodrigues

Estudo feito por entidades de defesa do consumidor em cinco países  –  divulgado ontem (19/2) pela Proteste Associação de Consumidores –  mostra que os brasileiros apresentam mais sintomas de doenças decorrentes de problemas financeiros do que os europeus, que enfrentam aguda crise econômica.

Ao todo, foram entrevistadas 680 mil pessoas – 600 mil no Brasil e 80 mil na Bélgica, Espanha, Itália e Portugal.

De acordo com o levantamento, feito em setembro de 2013, em situação financeira desfavorável, no Brasil são  consumidos mais ansiolíticos e antidepressivos (30%) do que nos países europeus pesquisados – o porcentual só é maior em Portugal (33%). A incidência do uso desses medicamentos ficou em 29% na Espanha, 18% na Itália e 17% na Bélgica.

Em crise financeira, 31% dos brasileiros deixam de procurar tratamento básico de saúde, seguidos por 30% dos  italianos, 25% de  espanhóis, 23% dos portugueses e 19% dos belgas.

Apesar desses dados,  a confiança nas entidades de defesa do consumidor se mantém elevada nas situações de crise.  O Brasil lidera esse quesito, com 69,7%, seguido de Portugal, com 67,8%.

O resultado do estudo foi apresentado por Ivo Mechels, diretor de Relações Institucionais e Imprensa da Test-Achats – organização belga de consumidores, na inauguração da nova sede da Proteste, em São Paulo.