Como fazer para – não ser alvo de assalto no aeroporto

Luciana Magalhães

30 Setembro 2013 | 17h33

“As bagagens de viagem e lazer são alvos preferidos dos ladrões”, informa Niv Y. Steiman, gerente de Projetos de Segurança do Grupo GR.

Por Luciana Magalhães *

1) Que cuidados devo ter?
Apesar de toda movimentação nos aeroportos, o assaltante procura uma vítima que favoreça a sua ação. Para isso, ele mede dois fatores: a atenção do alvo e o valor do possível ganho. Para contrabalançar esse jogo, mantenha a atenção tanto na bagagem quanto nas pessoas que lhe observam.
Não é recomendável abrir as mala e exibir equipamentos eletrônicos – antes do embarque ou na chegada com as compras. Se precisar utilizar o notebook, por exemplo, entre na área de embarque para usá-lo.

2) Como agir com meus pertences?
Os seus pertences são alvo dos bandidos. Procure não deixar caracterizado o que carrega, até onde for possível, além de não perdê-los de vista. Lembre-se de que o volume de pessoas torna impossível garantir a segurança individual, já que o bandido só se anuncia no momento do furto. O local é publico e não há como identificar atitude suspeita, a não ser que o bandido seja pego no ato do furto.

3) Como agir no estacionamento?
O bandido provavelmente vai seguí-lo no estacionamento, para saber qual é o seu veículo. Esse é o momento de você identificar que está em perigo e que foi escolhido como alvo, porém, ainda tem a proteção da segurança local. Ao perceber que foi identificado, o bandido deve desistir do assalto e procurar outra vítima.
Não se distraia comentando da viagem com familiares. Deixe que pessoas suspeitas passem por você e não deixe de observar o que fazem. Coloque as bagagens no porta-malas, dificultando o acesso. Na maioria das vezes o bandido que está observando vai preferir assaltá-lo fora do estacionamento ou quando você chegar a sua residência.
Ao perceber que está sendo seguido fora do estacionamento, procure parar num local com segurança ou até na delegacia. Normalmente 15 minutos de parada vai fazer o bandido desistir do assalto.

Fonte: Niv Y. Steiman, gerente de Projetos de Segurança do Grupo GR

*Versão ampliada de texto originalmente publicado na versão impressa de O Estado de S. Paulo, em 30/9