Ciclovia atravessa poste e árvore

Ciclovia atravessa poste e árvore

Luciana Magalhães

28 Setembro 2014 | 11h00

Quem aprova esses projetos?, questiona o leitor

 

Reclamação do leitor: Reclamo das ciclovias, pois foram feitas sem nenhum planejamento. É um absurdo instalarem uma ciclovia em cima da calçada. Quem fez isso deveria ser multado e pagar pelo conserto. Os administradores públicos nunca se preocuparam com os pedestres e muito menos com as calçadas. Além disso, nos oferecem um transporte público de péssima qualidade e caro. Grima Grimaldi / São Paulo

 

Resposta: A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) esclarece que a ciclovia da Avenida Escola Politécnica, no trecho entre a Rodovia Raposo Tavares e a Estrada das Cachoeiras, foi projetada pelo lado direito da pista local da via, por causa da existência do córrego no canteiro central. A partir desse ponto, com o término da pista local e mantendo a continuidade do traçado, a ciclovia passou a ser projetada pela calçada do lado direito da via, em um trecho de aproximadamente 700 metros. A medida foi tomada face à existência apenas da pista expressa nesse trecho por onde há tráfego de veículos pesados. Também haveria dificuldade de implantar a ciclovia no canteiro central ante a existência de árvores que impediriam a passagem de ciclistas. No trecho implantado também há algumas espécies, mas a passagem não é prejudicada. Ressalta que, se o projeto fosse feito no canteiro, a CET teria de incluir mais um estágio na programação semafórica, para que os ciclistas pudessem efetuar a  transposição para o canteiro no cruzamento, provocando prejuízos à circulação, principalmente nos horários de pico. Face a essas características, foi proposto o projeto de compartilhamento neste trecho, atendendo à demanda de ciclistas e pedestres.

 

Réplica do leitor: Aqui na Rua Cerro Corá, na Vila Ipojuca,  onde eu moro, mais uma cidadã morreu atropelada em cima da faixa de pedestre. A Rua Cerro Corá, por total omissão da CET em fiscalizar, está virando um corredor da morte ,com um trânsito intenso e sem nenhuma fiscalização.

Foto: Grima Grimaldi