CDC pode ser utilizado para indenização em acidentes com fios

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

CDC pode ser utilizado para indenização em acidentes com fios

Marco Antônio Carvalho

08 de abril de 2015 | 12h01

Empresas de telecomunicação e energia podem ser responsabilizadas mesmo que vítimas não sejam suas clientes

O Código de Defesa do Consumidor (CDC) pode ser utilizado pelo cidadão para requerer indenizações na Justiça em caso de acidentes com fiação solta que causem danos físicos, materiais ou morais. A empresa de telecomunicação ou de energia elétrica serão acionadas por serem responsáveis pela manutenção dos fios.

Veja também: Luta por espaço em postes ignora regras

A explicação é do advogado e professor de direito e relações de consumo da FGV Direito Rio, Fábio Lopes Soares. Ele esclarece que mesmo que o cidadão não seja consumidor da empresa envolvida na ocorrência de fio solto, o Código o equipara a um cliente e cria a obrigação de ressarcimento após o acidente.

Postes pela cidade acumulam fios e representam riscos para o cidadão. Foto: Gabriela Bilo/Estadão

Postes pela cidade acumulam fios e representam riscos para o cidadão. Foto: Gabriela Bilo/Estadão

“Se o cidadão que está passando na rua acabar sendo lesado, mesmo que não seja o consumidor direto daquele produto, é equiparado a tal”, disse o especialista. Soares acrescenta que o mesmo vale para reclamações de acúmulo de fios, que podem serem feitas às empresas por pessoas que não são clientes delas.

Antes de ir à Justiça, no entanto, o advogado aconselha procurar vias de resoluções amigáveis, procurando primeiramente a empresa envolvida e anotando o número de protocolo. Se a situação não for solucionada, a orientação é a agência reguladora do setor e o Procon sejam procurados para orientações.

Caso os problemas sejam postes, a responsabilidade é do setor público e também é amparada por uma legislação específica em São Paulo. Trata-se do Código de Defesa do Usuário do Serviço Público, que prevê a qualidade na prestação no serviço e a sua manutenção adequada. Reparações a acidentes envolvendo essas estruturas podem ser feitas diretamente ao Juizado Especial Cível mais próximo, que não requer presença de advogado se a demanda tiver limite de 40 salários mínimos.

Luz. Acidentes com fios e postes geralmente resultam em interrupção no fornecimento normal de energia elétrica. Uma série de regras ditam como as empresas dessa área devem agir diante desses problemas. O consumidor, primeiramente, tem o direito de ser informado sobre a situação de abastecimento e a concessionária deve trabalhar o mais rápido possível para religar a energia.

O limite máximo para religação, previsto pela agência reguladora do setor, é de quatro horas. O prazo deve ser respeitado mesmo em caso de temporais. Diante de eventuais descumprimentos, multas poderão ser aplicadas pelas agências às concessionárias.

Em São Paulo, a Eletropaulo oferece o prazo de até 45 dias para ressarcimentos materiais por variação no fornecimento de energia elétrica. O pedido pode ser feito pela página da empresa na internet. Dentro de 10 dias, a concessionária realizará a vistoria no equipamento, que terá o resultado da análise em até 15 dias. A partir daí, são 20 dias para conserto ou ressarcimento do produto. Em caso de produtos essenciais, como geladeira, o prazo para vistoria é de um dia.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: