Caos no Crematório da Vila Alpina

Luciana Magalhães

18 Fevereiro 2014 | 20h08

Dos 5 fornos para cremação, só 1 está funcionando, diz leitor

Por Luciana Magalhães

Reclamação do leitor: No dia 9/2 soube que no Crematório da Vila Alpina 4 fornos estavam desativados por falta de manutenção e apenas um estava funcionando. Dessa forma, dezenas de corpos estão se juntando  e nada é feito. O ambiente de trabalho dos funcionários está um caos! Isso sem contar a demora para a realização das cerimônias. Além da demora e da falta de ar condicionado, as instalações são precárias e há um acúmulo grande de corpos para serem incinerados. O melhor que se deve fazer é fechar temporariamente até regularizar essa situação absurda. Moacyr Ferro / São Paulo

Resposta:O Serviço Funerário Municipal (SFMSP) informa que as altas temperaturas, bem acima das médias históricas do período, e o clima bastante seco registrados em janeiro e na primeira quinzena de fevereiro deste ano no município de São Paulo levaram a um significativo aumento no número de falecimentos na cidade. Esse quadro completamente atípico nos primeiros 45 dias do ano teve impacto significativo no Serviço Funerário, especialmente no que se refere ao crematório. Em fevereiro de 2013, a média diária de corpos recebidos para cremação foi de 20,5. Estima-se que, em fevereiro deste ano, a média suba para 33,5 corpos/dia. Apenas no dia 8/2 o crematório municipal recebeu 42 corpos. O crescimento expressivo da demanda pelo serviço de cremação causou alguns problemas momentâneos na operação dos fornos crematórios, que já foram resolvidos. Neste momento, o crematório está funcionando com três fornos e três câmaras frias e há 28 corpos aguardando cremação – um quadro dentro da normalidade.

Réplica do leitor: Após horas de espera no crematório, conversei com vários funcionários que confirmaram de forma discreta essa situação no local. Três funcionários que trabalham na parte de baixo, onde estão  as câmeras frias e os incineradores, confirmaram o meu relato.  Informaram que e a situação está péssima e que é necessária uma rigorosa inspeção do serviço de saúde pública. Os funcionários não teriam motivo para mentir. Vou aguardar para ver quanto  tempo demoram para  devolver as cinzas à  família, a fim de comprovar  o tamanho do descaso!