Assaltos na Estação Santa Cruz do Metrô

Luciana Magalhães

08 de janeiro de 2014 | 11h32

“Reclamei várias vezes na Ouvidoria do Metrô, e ninguém fez nada”, diz leitora

Por Luciana Magalhães

Reclamação da leitora: No dia 31/10  meu filho foi assaltado na saída da Estação Santa Cruz do Metrô. Além disso, presenciou dois assaltos no período de 1 mês. Solicitei ao Metrô reforço na segurança, pois, no momento dos assaltos, não havia nenhum funcionário nem para registrar a queixa.  Contatei a Ouvidoria mais de 3 vezes, e nada foi feito. Diariamente procuro por seguranças na estação e o número máximo que encontrei foram dois,  quantidade que certamente não dá conta do controle as áreas de risco.  Nadia Carlin / São Paulo

Resposta: A Companhia do Metrô informa que, em razão dos incidentes relatados, vem realizando estratégias de segurança especiais nesta estação com o intuito de identificar e tratar eventuais problemas. Ressalta também que qualquer ocorrência desta natureza deve ser imediatamente comunicada pelos usuários a qualquer empregado da empresa, fato que não aconteceu em nenhum dos casos mencionados, a fim de que possam ser tomadas todas as medidas necessárias para a  solução do problema o mais rápido possível. Tal informação possibilitará o acionamento do Centro de Controle de Segurança do Metrô, que utiliza câmeras de vigilância, agentes de segurança uniformizados e descaracterizados posicionados estrategicamente no sistema. Nesses casos, outra alternativa para o usuário ativar o sistema de segurança é pelo SMS-Denúncia (97333-2252).

Réplica da leitora:Há dificuldade para registrar os fatos, pois não há seguranças no local. Caso houvesse um número adequado de seguranças nessa estação e se as câmeras fossem monitoradas para tomadas de atitudes imediatas, os roubos seriam inibidos. Mas isso não ocorre.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: